<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2008-03-31


Curso livre de iniciação à sensiblidade sociotrópica, v. Um dos sintomas da autoreferenciação crescente dos sujeitos, que é o mesmo que referir a paranóia dos outros, é a tendência a substituir o suicídio altruísta pelo homicídio egoísta. Segismundo.

Referência



Página do livro das sentenças, xlviii. Há demasiado fim nas feridas. Segismundo.

Referência



Modo de serestar. Um gajo esforça-se tanto para ser liberal old fashion que, às tantas, um gajo é um bocadinho doggy style. Segismundo.

Referência

2008-03-30


O regime du soleil. Quando alguém diz que o senhor dr. Alberto João Jardim é “um exemplo supremo na vida democrática” pátria, como fez o senhor dr. Jaime Gama, percebe-se a necessidade de rever-se a noção de palhaçada. Nicky Florentino.

Referência



Livrete dos anjos sujos, x. Durante muito tempo houve quem aventasse que ele era um vampiro. Porém, não obstante a sua aparência estranha e pálida, Isaak Ward não era vampiro ou próximo disso. Percebendo a gravidade da dúvida sobre a sua identidade, um dia decidiu esclarecer a comunidade, de modo a evitar os prejuízos para a sua honra decorrentes do equívoco. Sei quem é Lestat e quem é Nosferatu, começou por dizer a uma audiência vasta, o que não constituiu o melhor princípio da sua defesa. Pelo que, de imediato, acrescentou a elucidação seguinte, mas nem sou noctâmbulo nem sou hematófago, e abriu a boca, para mostrar a sua dentição. Os dentes eram semelhantes aos de qualquer mortal, alguns com cárie e nenhum afilado extraordinariamente. Em seguida, após fechar a boca, retomou a declaração de defesa, para além disto, apresentando as provas derradeiras que negavam a sua condição vampiresca, em razão do meu ofício de fotógrafo, lido frequentemente com sais de prata e, posso exibir uma declaração médica que atesta o facto, tenho fobia a protector solar, não à luz do sol. Dito isto, ali, Isaak não tornou a ser motivo de estranheza, excepto depois da sua morte, quando lhe perceberam nas costas algo que nunca havia sido suspeitado, um par de asas, cujo envelhecimento tinha feito definhar entretanto. Eliz B.

Referência

2008-03-29


Ghostbusters. Há sequências de toques nas teclas que despertam fantasmas cujo paradeiro era desconhecido. Descobre-se-lhes fortuitamente a agitação e o sangue. Nalgumas circunstâncias, como um corpo aguarda a autópsia ou a arqueologia respectiva, tais fantasmas esperam que uma combinação determinada os revele. Não basta realizar uma sondagem. A sua revelação exige mais, exige corte, sutura e atenção. Segismundo.

Referência



Can’t stop getting wasted. Tratar o Bushmills por tu não concede uma competência particular para dançar sevilhanas ou à cossaco. Segismundo.

Referência

2008-03-28


A loja dos um porcento. Há criaturas no ps que encaram o divórcio como uma espécie de piercing ou tatuagem ao contrário. Nicky Florentino.

Referência



Portugalé. Três sílabas de rés-o-chão e gentes. Segismundo.

Referência



Descobrir cicatrizes. A carne já lá estava, agora estão traços nela também. São marcadores de distância a um tempo, diz-se. Talvez um tempo morto. Não se sabe. À superfície nada se vê, excepto o engano apagado, a sobrevivência. Segismundo.

Referência

2008-03-27


Curso livre de iniciação à sensiblidade sociotrópica, iv. Em sociedade, qualquer que seja, os outros são o problema social maior. Há problemas diferentes, distintos dos outros, certo, mas todos esses problemas são consequência da existência dos outros, isto é, são ressonância da alteridade. Segismundo.

Referência



Jack Bauer superstar, iii. Sob o regime da urgência, as pressas e as dores encontram-se cada vez mais e mais rapidamente. Não há solução ou atenuante em barbitúrico ou em elegia para o caso. Talvez por isso constituiu-se uma doutrina adequada, fundada no princípio da ofensa legítima. A ofensa legítima pretende ser um modo de defesa legítima antecipada, o que, nos termos da doutrina referida, permite ganhar tempo ou, pelo menos, não o perder. Sobretudo evita a espera da ofensa ilegítima e a tensão associada a tal espera e à necessidade de, depois, apenas depois, reagir defensivamente. É assim que, por imposição prévia, o bem se preserva e prevalece actualmente. E Jack Bauer é o seu braço armado em tempo. Segismundo.

Referência

2008-03-26


A ordem das coisas. Há quem julgue que há uma ordem espontânea. Uns vêem o dedo divino em tal obra, outros vêem os estames e os tentáculos da natureza. Para quem tal julga e tem tais visões, a ordem social tardo-moderna é mantida artificialmente, sobretudo por via de instituições contra natura, brutais e que suscitam venalidade, portanto. A escola, maxime a escola pública - a expressão é redundante, no sentido em que não há escola que não seja pública -, é uma dessas instituições. Ainda bem que há televisão para poder ver-se espontaneamente o caso. Nicky Florentino.

Referência



Actas para motosserra, ii. E se a sociologia fosse uma arma de arremesso?, tipo boomerang. Segismundo.

Referência



Pormenores que o coeficiente de Gini não capta. Um gajo sem estantes adequadas à organização do seu cúmulo não se distingue de um indigente. Segismundo.

Referência

2008-03-25


Página do livro dos googlemas. Isto, passe alvará de cabrão acórdão do tribunal da relação de Lisboa, e isto, faixas de festas de danados em sentido conotativo, há-de ter algum significado, para além da queda aqui, neste tugúrio. Segismundo.

Referência



Lost in the supermarket. E subitamente, ali, naquele corredor, em frente a uma prateleira onde está uma embalagem de lava tudo perfumado com aroma de sabão marselha, talvez um litro e meio disso, um gajo ouve a cabeça a estalar, consequência do abalroamento por duas interrogações, «que mundo admirável é este?» e «por onde é que tens andado?, pá», sendo tirado do interior de uma canção d’The Clash, para ficar exposto traumaticamente à miséria própria e à sua dimensão. Ó mãe. Segismundo.

Referência



A cilada. Conta-se que, se quisesse, ele poderia ter-se furtado ao suplício. De facto, diante do horizonte tenebroso que o esperava, ele ponderou esquivar-se. Chegou a rogar a intercedência do pai, no sentido de ser poupado ao martírio. Todavia, omnipotente, o pai confirmou-lhe o sofrimento. Os da nossa estirpe não se rendem, sofrem e vingam-se. No entanto, a vingança exige motivo. Tu, meu filho, como entregue e condenado, és a condição necessária da vingança que planeei. Por vontade minha, serás o motivo da minha vingança, embora, magnânimo, conceda que a minha ira subsequente será por ti e em teu nome, transmitiu-lhe uma voz crepitada do céu que apenas ele escutou, os outros ouviram trovões. Não obstante os recursos próprios, suficientes para lhe valerem a salvação, ele acedeu ao plano paterno. Consumou-se assim a justiça ditada divinamente. O filho de deus, posto em carne, padeceu e pereceu. O seu pai testemunhou a ocorrência tamborilando os dedos da mão direita, a mão justa, sobre o joelho correspondente. E, depois, confirmado o seu motivo, soprou as fúrias sobre os mortais, para ensinar-lhes a culpa. Os mortais, cruéis e vingativos também, preferiram aprender a liberdade. Mas deus enganou-os uma outra vez, propondo-lhes o perdão. O Marquês.

Referência

2008-03-24


Realidade, a grande superfície que não encerra ao domingo à tarde, ii. Vive-se em regime mais do que existência, de coexistência. Não obstante, os gentios sentem que a realidade em que coexistem é uma entidade na qual não participam. Participam, mesmo que não queiram participar, mas sentem que não participam, o que é um alívio para a consciência. Daí o espanto, tão próximo?, com que acolhem os episódios estranhos que ocorrem na vizinhança. É um facto que cada vez mais o estrangeiro é cá dentro. Mas, como a evidência de tal estranheza demora, a malta pode continuar a dormir à mister Paulo Bento, com tranquilidade. Segismundo.

Referência



Realidade, a grande superfície que não encerra ao domingo à tarde, i. Alienada ou cedida, posta na condição de assistente ou espectadora, a malta pátria sobressalta-se com a efervescência anómica. Alguém dispara sobre alguém, ai jasus. Uma aluna envolve-se numa disputa com uma professora, ai jasus. Qualquer coisa, um acidente, uma desgraça, um azar, uma contingência, e ai jasus, meu deus, nosso senhor, que são as vésperas do fim do mundo. De onde é que vêm estes episódios?, o que é que os determina? A pergunta é pertinente porque para a generalidade dos gentios a realidade anómica é um rol de consequências sem causas. Há uma ordem suposta, tudo arrumadinho, asseadinho e com muito respeitinho, e, depois, há os desvios ao padrão ordenado. Embora parte da realidade chocante e nauseante que também é a realidade de todos os dias, estes desvios são percebidos como episódios extraordinários e, portanto, extra reais. Analistas mais arrojados propõem como explicação da ocorrência dos episódios referidos a dissolução moral ou, o que é o mesmo por outras palavras de outros mais ou menos iguais, a depreciação do capital social. Mas a anomia institucionalizada sob formas diversas quase ninguém a quer ver. A ilusão é mais bonita e é mais tranquilo imaginar que as coisas não são o que são, um pandemónio. Segismundo.

Referência

2008-03-23


Livrete dos anjos sujos, ix. Eva Ladouceur era diferente dos outros anjos. A maioria ilude a sua condição angélica para não suscitar a curiosidade incómoda dos outros. Ao invés, como se fosse um pavão, ela experimentava gáudio ao exibir e sacudir publicamente as respectivas asas. Não passava despercebida. E por isso, mais por admiração do que por ultraje, havia quem a chamasse ave rara. Se lhe notavam a beleza, notavam-lhe também as ausências demoradas que, de quando em quando, em intervalos espaçados, aconteciam. Em parte porque, como referido, ela não era discreta, mas em parte maior porque após reaparecer, quando tornava a usar as ruas como pódio para a sua formosura, surgia remoçada. Foi à recauchutagem, acusavam as mais ilustradas pelas séries televisivas e pelas revistas com reportagens sobre as oficinas e as práticas de estética corporal, a gaja tem um pacto com o demónio, pronunciavam as outras, para quem nenhum homem logrou pisar a lua e nenhuma mulher pode rescindir as rugas que a idade lhe impôs. Nem uma coisa nem outra. É um facto que o seu afastamento operava como um tónico rejuvenescedor, porquanto sempre que voltava ela tinha a pele mais lisa, os seios mais firmes, as penas mais macias do que antes. Mas não é um mistério extraordinário. Em cada ano bissexto, na aproximação do primeiro equinócio, Eva ficava em casa e fechava-se no quarto, sem qualquer mobília ou adereço no seu interior. Aí, recolhia-se em posição fetal e envolvia o corpo com as suas asas. Mais tarde ou mais cedo, as penas das asas começavam a ruborescer e, aquando o máximo da incandescência, gerava-se uma ignição e todo o corpo era consumido por labaredas. Ela desfazia-se em cinza. Pouco depois renascia da fuligem. Este ciclo foi interrompido quando, numa ocasião, imediatamente após uma das incinerações de Eva, Miquelina Abóbora dos Santos, a mulher que cuidava da higiene da casa, contrariando o que lhe havia sido ordenado, entrou no quarto e decidiu recolher a cinza, para a despejar na sanita. No instante em que accionou o autoclismo disse hei-de acabar com este espectáculo de variedades ambulante, o que denunciou a existência de motivação em tal acto. Porém não se sabe de que fundamento, se passional, se genocida. Eliz B.

Referência



Negociação e preparação de uma ceia derradeira

The Cook, the Thief, his Wife and her Lover © Peter Greenaway

Referência

2008-03-21


Nas vésperas de este macaco vai para o céu, estância do pai nosso. A dilatação dos corpos não é uma modalidade de prolongamento. Do pretório ao calvário contam-se catorze estações, exactamente catorze, duas vezes sete, número cabalístico. Por isto e apenas esquecendo o início da história é possível admitir que a pronúncia ecce homo foi o princípio da sentença de JC. Deus, o grão titereiro, não entregou o filho à justiça dos homens. Entregou-o à morte. O que significa que, fait vos jeux, rien ne va plus, o resultado do jogo estava viciado à partida. Todas as apostas foram em vão. Segismundo.

Referência



A leitura é o princípio da morte do judeu negro como o ás de espadas e disso não há remissão ou devolução

The Cook, the Thief, his Wife and her Lover © Peter Greenaway

Referência

2008-03-20


Jack Bauer superstar, ii. Porque o regime vigente é o da urgência, não há caldos de tempo, como os caldos knorr. O mais aproximado que há disso é Jack Bauer, o maior valor em tempo da modernidade tardia. Ele não é o último dos senhores do tempo, ele é o único senhor do tempo, porque antes não houve outro e jamais haverá. Aliás, somente por histerese institucional subsiste o utc, padrão derivado do tempo atómico internacional e sucessor do tempo médio de Greenwich. Pelo que há muito tempo que tudo, a cadência da vida e da civilização urgente, deveria regular-se pelo ritmo de Jack Bauer. Segismundo.

Referência



Uma cura para a melancolia. O rapaz vivia a tristeza própria dos tristes, uma melancolia temporã, que se antecipara aos problemas anímicos que, quando maduro, haveria de sofrer com maior intensidade. A desdita chegara-lhe por via do apelido, dizia-se, ainda que antes do momento previsto. Talvez porque de sangue acelerado, já menino ele padecia o abatimento profundo que afectava os homens da família. Para afastar a consternação que lhe consumia os dias e a disposição, ele habituou-se a montar armadilhas no bosque e a esperar que qualquer peça da fauna autóctone fosse vítima. Isto era o que o fazia feliz, a sensação de domínio. Porém, como a tristeza não era maleita reconhecida por lá e as autoridades da comunidade eram simpatizantes da doutrina da coexistência animal, foi-lhe movida uma perseguição correctiva, ao princípio por via administrativa, depois por via policial. Durante este processo, cansado de admoestações e de cacetadas, o rapaz desistiu de ir ao bosque e de ficar a vigiar as suas armadilhas. Recolheu-as. Tal reparação, no entanto, não lhe atenuou a tristeza. Tanto assim foi que ele continuou a sentir dentro de si o apelo do entretenimento, o que teve como consequência o aumento da sua ânsia. E já para além do limiar do desespero, não podendo capturar e torturar bichos, dedicou-se à captura e à tortura dos vizinhos, com método e preceito, para não ser detectado. Recomendou-lhe a cautela que, após a administração dos suplícios, fizesse desaparecer os corpos dos afligidos. Aquando os primeiros desaparecimentos observaram-se sentimentos contraditórios na comunidade. Os familiares dos desaparecidos manifestaram publicamente o seu incómodo e exigiram buscas e providências às autoridades. Mais do que a saudade em relação a um ente querido afastado misteriosamente do seu convívio, operava o temor e a sensação de insegurança. Mas os outros, os não afectados por qualquer desaparecimento - a maioria -, revelavam alívio. O solo sagrado do cemitério estava a esgotar-se, havia apenas espaço para sepultar os próximos quatro cadáveres. Descontando os desaparecidos, aumentava a probabilidade de, caso morresse, qualquer dos sobreviventes poder ser enterrado do campo de defuntos local. A preocupação só tocou os contentes do lugar no dia em que o corpo do coveiro foi encontrado retalhado brutalmente. O Marquês.

Referência

2008-03-19


Montanhismo. O senhor Prof. Doutor Augusto Santos Silva disse que foi por causa de Jane Birkin que se virou ao legado de Трóцкий. Há motivos menos prosaicos para ser trotskista. Levar com uma picareta na cabeça, por exemplo. Nicky Florentino.

Referência



Sleight of heart. Por mais que um gajo se esforce no regime dos afectos, a ikea não é paraíso suficiente. Segismundo.

Referência



I can hear your heart. Uma gaja gosta muito de um gajo até pedir-lhe para ir às compras com ela. Segismundo.

Referência



Portugalé. Um quintal atlântico onde passa o corso da via dolorosa todos os dias e ninguém carrega a cruz. Segismundo.

Referência



Curso livre de iniciação à sensibilidade sociotrópica, iii. Cavalos há os de corrida, como os carapaus, há os selvagens, como os das estepes mongol e tártara, e há os outros. Entre os outros há os loucos também. Um foi nativo americano, outro é cabaret. Segismundo.

Referência



Actas para motosserra, i. A sociologia é uma disciplina de e para cavalos. Segismundo.

Referência

2008-03-18


O caminho das vertigens, i. O direito à vida não é o direito à qualidade de vida. Porque há coisas que são fundamentais e outras que são apenas consequência disso. Segismundo.

Referência



Sem ersatz. O amor é uma espécie de doppelgänger, porém sem duplo ou desdobramento. Segismundo.

Referência

2008-03-17


Uma questão de gravidade e além. Qual é o limite do amor?, não sei, mas sei o que são grainhas de maçã, declarou Eva, junto ao portão do jardim. Albert, entretido com uma lanterna, apontava-a no sentido de uma macieira, cujo tronco ostentava a palavra Isaac gravada a navalha. O limite do amor é o limite da velocidade da luz, como a desta lâmpada, apontou para a lanterna, conforme lançada num lance de dados. Eva avançou para encontrar Albert. Defendes a teoria do amor como casualidade?, como produto da contingência?, interrogou-o ela enfanticamente. Ele deu dois passos em torno da macieira e, sim, julgo que o amor não é um fenómeno semelhante à queda de graves, disse. Eva deteve-se por instantes. Se consigo compreender-te, tal significa que o amor não depende da queda de uma das partes sobre a outra, da atracção, é isso?, tentou ela indagar pormenores sobre a asserção de Albert. Para ser sincero, explicou ele, em geral o amor parece-me relativo. O Marquês.

Referência

2008-03-16


Livrete dos anjos sujos, viii. Ela finge ter pavor de borboletas e de homens mais velhos, fingimento que, porque não percebida a simulação, foi diagnosticado como síndrome de renúncia a Набоков pelo alienista convocado para apreciar o seu caso. Mais do que consequência de engano, o diagnóstico foi produto de incompetência. É que, desde criança, Simone Fischer apanha borboletas pelo gozo tão perverso quão simples de tocar-lhes as asas, sentir a deterioração das escamas delicadas que as compõem e, deste modo, tornar impossível que voem novamente. Enquanto operação de humilhação, o mesmo sucede com os homens mais velhos. Desde o início da adolescência que ela seduz incautos, sobretudo através da exibição da sua plumagem alva e sensual. Pelo que, mais tarde ou mais cedo, se a oportunidade propicia, os homens cedem à tentação e estendem a mão para tocarem-lhe as penas das asas. Entusiasmados, eles tendem a avançar ainda mais nos gestos e, consentido por ela, acabam por copular com a rapariga. Sempre na mesma posição, os homens deitados com o pénis túrgido e ela sentada sobre eles, confrontando-os com os seus olhos. Aparentemente, ela não se presta a rogo. Durante o acto, permite que lhe toquem, que a alaguem com as mãos e os dedos em mais do que carícias e geme e manobra o corpo como alguém absoluta e exclusivamente entregue ao ofício da paixão, o que tende a ter como efeito a intensificação da excitação dos homens. Porém, percebendo a aproximação do clímax deles, porque a maior parte começa a arfar, a emitir grunhidos mais graves e a aumentar a cadência de palavras ordinárias, Simone agita freneticamente as asas até levitar, desembainha os homens de si e, assim, impede-lhes a consumação do êxtase. Mais. Enquanto paira acima deles, diz-lhes, com escárnio e gozo cruel, a minha carne tenra não é para velhos. Do que resulta que, em todas as circunstâncias em que adoptou este comportamento - com homens mais velhos foi sempre -, ela nunca testemunhou qualquer ejaculação. Nas circunstâncias referidas, o único branco alguma vez testemunhado por si foi o das suas plumas imaculadas, nenhum outro. Eliz B.

Referência

2008-03-15


Uma lição é um dispositivo de rectificação

The Cook, the Thief, his Wife and her Lover © Peter Greenaway

Referência

2008-03-14


A liberdade é um lugar perigoso. Segundo a tsf, um senhor deputado socialista está a preparar legislação no sentido de proibir piercings na língua e nas partes pudendas. Há mais uns pormenores quaisquer sobre agulhas e tintas para tatuagens. Talvez até sobre tipos de piercings e motivos de tatuagens autorizados. Sabe-se lá. O que se sabe é que deputar é uma alegria. Nicky Florentino.

Referência



Dicionário encomendado de mais ou menos uma dúzia de palavras

apaniguado. substantivo masculino. uma espécie de panado no pão, com braços, que dá palmadinhas nas costas.

assentamento. substantivo masculino. de espáduas. versão olímpica de «todo lá dentro». também pode significar «estás de barriga para o ar como uma tartaruga e não és ninja».

. substantivo masculino. segunda letra do alfabeto latino, marcador e princípio de uma série antiga e longa, babilónia, babete, bolacha, banana, baioneta, Berlin, berlinde, os amigos de Gaspar, Baltazar e Belchior, babuíno, bacteriologicamente puro, abacate, BB, Bardot, Birkin, balança, bosch, Báthory, black & decker, blaupunkt, Bernardino, boca, bacanal, Berlioz, bang bang, big bang, bum, bué, belicosa, broche, broche é bom, baleia, berlenga, bicho, bruxa, bisonte, bigorna, bastão, batente, bastonário da ordem, bico, bica, Bosna i Hercegovina e Eva Herzigová, β, bicho papão, bico-de-lacre, bic laranja, bic cristal, bic bic bic, bic bic bic, avesso do lado á, Beatriz, bom, bombom, bela e senão, bi, bardo, balido, combalido, Bali, Barcelona, Balzac, Bovary, baleia azul, boça, buço, bossa, bis, bilhar às três tabelas, besta, beta, blu ray, bongo, bingo, bonzo, bombo, bobo, bomboca, bá, Belle Chase Hotel, blau, bleu, blue, bungalow, mercedes benz, bilha, bolo, bolha, bode, o Billy Bob foi lá antes do que o Brad Pitt, Borges, boutique, bataclan, Baudelaire, Baudrillard, bafordo, balbúrdia, bácoro, bacorinho, Bach, barro, bafo, baú, bolinhas, Botswana, bem, bom, bonito e barato, borra, baliza, bobó, bósforo, Boutros Boutros-Ghali, barraca, barra, belfo, bifana, bolota, Bertoldo, bife, porco preto, bazófia, bluff, bota, botim, Bern, bodega, Бакунин, bar, que corresponde a um dine por centímetro quadrado, boomerang, bar aberto, balcão, bisca, bisca lambida ou seca, biltre, ballet, botafogo, bota fora, basfond, barco, bazuca, Braga, báscula, Batman, brioche, bitoque, Robert Allen Zimmerman, blasfémia, bula, bicicleta, bigode, bitola, bus, bacelo, bacilo, Brasil, teddy boy, bastonete, batata frita, bote, boi, botox, Burt Bacharach, vitamina, bago, embargo, belcanto, bainha, baía, abafador, beltrano, Bush, Barack Obama, Bill Clinton, Clint Eastwood, Bartolomeu, bisnaga, bijagó, brunette, bocete, bufete, bófia, bofe, brigada de trânsito, batel, batelão, bureta, bólide, bolsa, balsa, bolina, Benin, Belize, bolear, bifidus activo, balde, balancé, Brunilde, beterraba, Betty Boop, banda, blues, Abrunhosa não porque é com á, british airways, barro, tacho de, bd, بحرین, bilú tetéia, braço, berbequim, bojo, barbearia, bóia, botija, balofa, bacamarte, bojarda, bandolim, barriga, bebinca, botão, burla, bebé, rebéubéu pardais ao ninho, bojudo, bom bocado, bugio, bordado, blonde bombshell, Barbosa du Bocage, bacalhau, busílis, berimbau, bombay sapphire, banco, baralho, rebarbadora, bp, Bollywood, barroca, babalu, bronze, brocado, barroco, bócio, búzio, bfiftytwo, baunilha, Bonnie Parker, bulício, beócio, mangueira dos bombeiros, blade runner, banzé, bicha de rabear, barricada, barrote, barroso, bolinha, bengala, Benazir Bhutto, btt, bala, boné, benefício, balada, balanço, Bugs Bunny, berloque, Bonifácio l’ombre de ton chien, mães de Bragança, dinastia de Bragança, galo de Barcelos, Gil Vicente Futebol Clube, bmw, boys don’t cry, bom dia, boa tarde, boa noite, belga, bafio, bermudas, beleza, Barnabé, batalha, benevolente, Benjamim, barbitúricos, benigno, borboleta, benvido, bennetoninho, Bruce Lee, betão armado, bastardo, rebuçados dr. Bayard, beca, borbulha, bretão, bentley, baile, barganha, básico, borne, brasão, brisa, brasa, bisneto, banheira, bandeira, bricolage, beijo, Blimunda, biologia, bowling, Burkina Faso, branco, bivalve, boxer, bordel, bolicao, blush, à bruta, bilhete, batota, boogie man, borracha, blog, Björk, big bad wolf, bomba, burro, bimbo, bobsleigh, oreo bañadas, Большой театр, boneca, braille, Bobby Robson, bric-a-brac, abacadabra, batráquio, boxe, Bora-Bora, barbárie, bacano, busca, bb gun, Benevenuto, beduíno, pipo Brent, Black Francis, Francis Black, break my body, Bilbao, best of, biscoito, Jack Bauer, Bridget Moynahan, Bushmills, broncopneumonia, brucelose, Baticano, bosquímano, wop bop a loom a blop bam boom, bidão, boomchickaboom, bidé, bidonville, buganvílias, et cætera e basta.

debalde. advérbio. sem esfregona, sem piaçaba, não vale a pena, é como a glória e o Non de Manoel de Oliveira.

deolinda. adjectivo feminino. súcubo. criatura que fode um gajo e depois fode-se e descobre que o gajo fodido já era e continua a ser fodido.

fellatio. substantivo masculino. em latim, língua morta, significa abocanhamento e língua viva.

marsupilami. substantivo masculino. o Jack Bauer da fauna com cauda.

meliante. substantivo masculino. biltre, canalha, malandro, Metralha, patife, sacana, teddy boy, sujeito que não merece confiança e tem a mãe que se sabe.

mescla. substantivo feminino. funciona quando se pensa em mescal ou em mescalina.

mirandês. gentílico e predicativo do raciocínio do paralelo de Mato Miranda. lá a realidade é tão evidente quão óbvia, expressa-se por si mesma, em miradês, evidente e obviamente, mas os outros, cegos ou com um olho à cyborg, não vêem como as coisas são, o que é a sua desdita, isso e não supor como é suposto e se supõe no paralelo de Mato Miranda.

pinça. substantivo feminino. serve para pinçar. o dr. House, que é coxo, não usa, usa bengala. não confundir com pinçel ou trincha.

ratel. substantivo masculino. o africano é mais feroz do que o eng.º José Pinto de Sousa.

realidade. substantivo masculino. combina melhor com realeza do que com realmente. coisa cujo realizador é desconhecido. tem propriedades semelhantes às da papoila afegã, o que significa que é autopoiética, alucinante e sonífera e que pode ser refinada.

serigaita. sinónimo feminino. gaja ladina, lambisgóia, lascarina. não confundir com sericaia, porque não leva ameixa ou calda de ameixa. não confundir também com letra da canção, porque não é serigaita upi upi ai.
Segismundo.

Referência



Portugalé. Menos biomassa do que uma carrada de mato. Segismundo.

Referência



Quarentena. Mais uma sexta-feira dos quarenta dias da estação das fomes penitentes. A mãezinha fez-lhe a pergunta sacramental sobre a sua presença ao almoço. Não, não almoço em casa, prefiro ser proscrito pela família, respondeu ele. Mais ainda?, repreendeu-o ela maternalmente. Segismundo.

Referência

2008-03-13


Laurel and Hardy. De um lado, o lado fino e raso, o senhor eng.º Ribau Esteves. Do outro lado, o lado cheio e emproado, o senhor dr. Vitalino Canas. Havemos de lá chegar com a verdade de ambos. Nicky Florentino.

Referência



Escala de Gray, iii. É uma manobra simultaneamente de assombro psicológico e de esquiva aquela em que, diante do seu retrato, alguém procura o ângulo morto pelo qual sobrevive. Segismundo.

Referência



Jack Bauer superstar, i. Actualmente, a urgência é o regime e vice-versa. Neste sentido, o tempo é cada vez mais o capital mais relevante. O que significa que os outros capitais tendem a render em função do tempo. Quem tem tempo ou utiliza o tempo de modo eficiente pode aceder a muitos outros recursos. Aliás, nunca como agora fez sentido a expressão «tempo é dinheiro». Mas o tempo é mais do que dinheiro. O tempo é poder, o tempo é estatuto também. Agora ganha-se e perde-se em tempo, inclusive a vida. Sempre foi assim, é certo, porém actualmente é ainda mais assim. Há guerras que, pela força, parecem vencidas pela parte xis, mas, depois, verifica-se que, pelo tempo, quem as venceu foi a parte ípsilon. As classes sociais - que las hay, las hay - são cada vez mais classes de tempo e de velocidade. O tempo que cada um dispõe para si, mais do que um factor de ego building ou um referente de carácter, é um marcador social. A estrutura de oportunidades de cada um depende cada vez mais do tempo que cada um tem ou da rapidez dos seus actos. Os riscos a que cada um está exposto estão associados a demoras e a velocidades várias, o que, nas suas formas diversas, significa tempo. É neste enredo da existência que, mais do que magnânimo, Jack Bauer é supremo. Segismundo.

Referência



Uma espécie de felicidade. Gritar à Yeah³ com ésse no fim. Segismundo.

Referência



Farmácia verdade. Não há deus em drageias? Não há. Nem em vacinas? nem em xarope anisado? Não, não há. E em fluoxetina? Não. Também não há deus em metilfenidato? Pois não. O que é que eu posso fazer?, então. Ficar quieto e rezar. E deus em ácido acetilsalicílico, que é mais fraquinho, há? Não, não há. Tenho mesmo que rezar, não é? É. E em água benta? Não, não há deus em água benta. E amor em coca-cola, porque tem mais gás, há? Não há amor em coca-cola, mas talvez haja deus, justamente por causa do gás. O Marquês.

Referência

2008-03-12


De cive. Com frequência, a retórica dos senhores empola filosoficamente o caso e, por consequência, refere-se a uma putativa ofensiva em curso contra os direitos dos cidadãos. Porém, sábio da vida, o indigenato indiferenciado compreende melhor e lhanamente o que está a acontecer e por isso limita-se a queixar-se do facto de eles, os senhores, estarem a acabar com os privilégios e as regalias dos gentios. O povo armado em aristocracia é o que é e no que dá. Nicky Florentino.

Referência



Portugalé. Um veículo sem guarda-lama. Segismundo.

Referência



Condição. Relativamente normal, na relatividade e na normalidade, é o caralho. Segismundo.

Referência



Complexo de Bentham. Andar na rua não é publicidade, é privacidade ambulante. Mas, porque há por aí demasiados voyeurs bem intencionados e, ao que consta, certificados ou quase, vai deixar de ser. O que significa que, por razões de segurança - esta é a invocação ponderosa da brigada dos bonzos da protecção civil que gostam de espreitar os outros -, doravante também os transeuntes, todos, vão passar a estar sob vigilância. Ou seja, fechados na rua. Para que, vistos e seguramente, possam sentir-se livres. Segismundo.

Referência

2008-03-11


Popular. Por aí, chão pátrio, diferentes espécies políticas utilizam a palavra «população» como sinónimo da palavra «povo». Em conformidade, aludem aos direitos inalienáveis da população, à opinião da população, às manifestações, às reividicações, às pronúncias ou à voz da população, aos interesses da população, ao bem-estar da população, et cætera. Se a taxa de mortalidade não resolver o caso antes, talvez um dia, com mais demografia e menos ciência política, se consiga fazer equivaler os adjectivos «populacional» e «democrático». Nicky Florentino.

Referência



O Calvin é Calvin mas. Lá do outro lado, na orla do Atlântico onde falam português com açúcar, chamam Haroldo ao Hobbes de Watterson. Segismundo.

Referência



Da (in)fluência. Qualquer coisa, um motivo, uma causa. Porém nada. Por exemplo, um sopro, para desembrulhar o capítulo que está embaraçado há muito tempo ou para aliviar o script cujo princípio já teve tantas versões que acabou por provocar sete scripts, todos diferentes, todos inacabados. Mas não. Continua tudo suspenso, modo elegante de declarar tudo fodido. Segismundo.

Referência



Amor sem estaca. Constatando os colmilhos de esmalte refulgente que lhe sulcavam os lábios, ele encarou-a com espanto. Sorvo sem atender ao cálice, prosseguiu ela, mostrando a língua agitada e inclinando ligeiramente a cabeça. O que, antes de a sua silhueta precipitar-se tenebrosa e vertiginosamente, petrificou o pavor nas feições níveas dele. O Marquês.

Referência

2008-03-10


E(c)lipse popular. Embora não em Portugal apenas, as ordens políticas produzem efeitos estranhos. Por cá, há democracia quase sem democratas, há república com poucos republicanos e também há escassos monárquicos sem monarquia. Ou seja, os regimes e os perfis institucionais dos regimes subsistem sem base, sem corpos de gentios ou povo. Há lá maravilha política maior? Nicky Florentino.

Referência



Aspegic mil. Nesta frase escrita pelo João - “são todos «sociólogos», [d]esse curso esotérico que, prudentemente, Salazar não deixou florescer nas universidades do Estado Novo” -, não se sabe o que é mais bonito, se as aspas utilizadas para entaipar a palavra sociólogos, se o advérbio de modo prudentemente, sem aspas mas entre vírgulas, aposto ao nome Salazar, também sem aspas. Segismundo.

Referência



Portugalé. Um quiosque moral. Segismundo.

Referência



Dias de dobrar papel. A manufactura de artefactos com cordel é fodida. Segismundo.

Referência



Lovestain. Coisa sinistra, o amor. O outro acenou com a cabeça a sua concordância. Os dois conduziram o olhar no sentido sugerido pela dispersão do sangue. Por acaso já leste um livro cujo título é Liebe als Passion. Zur Codierung von Intimität?, indagou o outro. Concentraram o olhar numa mancha de sangue que se estendia para o domínio da umbria. Apenas uma coisa é mais sinistra do que o amor, correspondeu ele, ao mesmo tempo que flectiu os joelhos, para baixar-se, ter uma perspectiva do chão que permitisse penetrar a sombra, a sociologia, e acompanhar o prolongamento da mancha. O Marquês.

Referência

2008-03-09


Livrete dos anjos sujos, vii. Lois Strauß tinha dificuldade em suportar as alusões ao facto de ter o nome semelhante ao da namorada do Superhomem. Quando a abordavam na leitaria e faziam menção ao caso, era raro não haver leite derramado e lágrimas sobre ele. Mas acaso lhe perguntassem se conseguia voar, então, o assomo de fúria e raiva era ainda maior. Sou uma pessoa normal, tão normal quanto pode ser uma mulher com asas nesta sociedade recreativa, chispava ela em reacção, lançando a mão sobre a garrafa com o leite, para a agarrar e, sem mais dizer, abandonar o estabelecimento. Por gozo e obscurantismo, os outros chamavam-lhe traça. Eliz B.

Referência

2008-03-08


P. Alguém deve julgar que o Público é um jornal para cabrões. Sem aviso como impõe a decência ou destaque, à sexta-feira e ao sábado o diário deixou de custar um euro e vinteecinco cêntimos para passar a custar um euro e quarenta cêntimos, preço de domingo. Que se fodam os quinze cêntimos da diferença. Mas alguém que vá para o caralhinho ou pior. Segismundo.

Referência



Dias de morrer assim e nada, ii
Imago... © Cédric Babouche

Referência

2008-03-07


Segredar. O senhor dr. Nuno Melo, insigne senhor deputado da pátria ditosa, eleito sob as insígnia e sigla do cds/pp, não acredita que os senhores deputados do be e do pcp sejam capazes de respeitar um segredo de estado, porque demasiado tentados a usar informação classificada em proveito político próprio e, presume-se, público. Atendendo ao modo como fulanos do cds/pp se comportaram durante o consulado dos dois governos constitucionais imediatamente anteriores ao actual, recorrendo sobejamente ao tráfico telefónico - conforme documentado e noticiado -, compreende-se a incredulidade do senhor dr. Nuno Melo. Ui, o espectro, ele anda aí. Nicky Florentino.

Referência



Heart it races. Determinados lugares fazem-lhe falta. O King, por exemplo. Rectificação, não é uma sala cinema que lhe faz falta, são filmes. Os filmes são lugares. E os concertos. E os livros. E alguns lugares lugares. Fazem-lhe falta por nada mais do que impedirem que ele passe demasiado tempo consigo, a fermentar a estupidez encantada que apenas os sozinhos conseguem. Segismundo.

Referência



Uma vida em atraso. Imagine-se uma parcela do passado acumulado no quarto, em torno da cama, sob a forma de pilhas várias, livros, recortes de jornais, revistas, cds, dvds, cadernos, papéis esparsos. Imagine-se uma parte do futuro acumulado da mesma forma, mas em proporção maior do que a do passado. A desproporção, indício da dimensão da demora, intensifica a sensação de naufrágio. O que, por seu turno, alerta a consciência antecipadamente para a necessidade de perder. Nesta circunstância, fazer opções é decretar liminarmente alguns fins, para preservar parte das esperanças. Ainda assim, o futuro cresce a maior velocidade do que o passado. Uma desgraça, não conseguir envelhecer à cadência do tempo que passa. Segismundo.

Referência



Uma outra tragédia clássica. Coração vassalo?, não tenho, disse ela. Tentar-te-ei, no entanto, entusiasmou-se ele, porque habituado a participar em rodeos e a cair. O Marquês.

Referência

2008-03-06


Que fazer? Como o senhor eng.º José Pinto de Sousa, o senhor dr. Luís Filipe Menezes é uma imposição do imperativo democrático. Há que esperar. Não por acaso, a democracia é um regime de endurance. Pelo menos no que concerne à paciência. Nicky Florentino.

Referência



Portugalé. Um casino a céu aberto. Segismundo.

Referência



Quando a traição é melhor do que o original. Isto é óbvio. Se l’ombre de ton chien pode ser «o ombro do teu cão», human race pode ser «corrida humana». Segismundo.

Referência



Depois da abjuração de Bruce Banner. Este blog esteve a crescer em draft. Se alguém necessitar de uma imagem para compreender as demoras que aconteceram aqui, imagine o Superhomem a alçar a perna, como um cão, para levantar voo. Aconteceu ao contrário. Segismundo.

Referência



Amor Wittgenstein. Vou dizer-te um poema de Stephen Crane, ouve. In the desert
I saw a creature, naked, bestial,
Who, squatting upon the ground,
Held his heart in his hands,
And ate of it.
I said:
Is it good, friend?
It is bitter - bitter, he answered;
But I like it
Because it is bitter,
And because it is my heart
”. Acreditas?, acreditarias se o coração fosse o teu e o mordesses. O Marquês.

Referência

2008-03-05


O Q Ò Ó Ô Õ Ö Ø Ō Ŏ Ő Ơ Ǒ Ǿ Ό Θ Ọ Ỏ Ố Ồ Ổ Ỗ Ộ Ớ Ờ Ở Ỡ Ợ. O zero não é singular, não é plural, não é negativo, não é positivo. Há quem diga que não faz parte do enredo natural dos números. Consta que os romanos representavam-o com a palavra nullæ. Não é indiferente se o zero está à direita ou está à esquerda. Sem temor, pode chamar-se-lhe nomes próprios. Jesualdo, por exemplo. Intendente G. Vico da Costa.

Referência



Futebol Clube do Porto versus Fußball Club Gelsenkirchen-Schalke von 1904. O jogo de hoje foi um ror de cruzamentos e de pontapés de canto para a piça. Mas o mister Jesualdo Ferreira, que tem um dragão de ouro – não espanta, até o senhor Prof. Doutor Aníbal Cavaco Silva foi honorificado com galardão semelhante –, falou em frustração e eliminação cruel. Intendente G. Vico da Costa.

Referência



O folclore do centro. Disse o senhor dr. Rui Marques, aquando a apresentação pública do Movimento Esperança Portugal, que pretende constituir-se como partido político, “a democracia não tem numerus clausus”. Como não tem tantas coisas, é provável que, de facto, a democracia não tenha numerus clausus. Mas, seguro, coisa que a democracia não justifica é esperança. Em Portugal menos ainda. Porque já se espera demais. Nicky Florentino.

Referência



Blank state. Na pátria ditosa, parece que os gentios estão sobressaltados, anda muito povo largado na rua. É mau sinal. Tem chovido pouco. As leiras estão a começar a ficar secas. A novidade vai ser afectada. Nicky Florentino.

Referência



Overglazed. Um gajo sabe que tem o Hulk alojado dentro de si quando o começa a expulsar sob a forma de postas esverdeadas. Ou será a kryptonite? Seja o que for, a estação da sinusite não é bonita. Segismundo.

Referência

2008-03-03


Llansol. _______________________ Segismundo.

Referência

2008-03-01


Dias de morrer assim e nada, i
Tir Nan Og © Fursy Teyssier

Referência

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).