<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2008-03-17


Uma questão de gravidade e além. Qual é o limite do amor?, não sei, mas sei o que são grainhas de maçã, declarou Eva, junto ao portão do jardim. Albert, entretido com uma lanterna, apontava-a no sentido de uma macieira, cujo tronco ostentava a palavra Isaac gravada a navalha. O limite do amor é o limite da velocidade da luz, como a desta lâmpada, apontou para a lanterna, conforme lançada num lance de dados. Eva avançou para encontrar Albert. Defendes a teoria do amor como casualidade?, como produto da contingência?, interrogou-o ela enfanticamente. Ele deu dois passos em torno da macieira e, sim, julgo que o amor não é um fenómeno semelhante à queda de graves, disse. Eva deteve-se por instantes. Se consigo compreender-te, tal significa que o amor não depende da queda de uma das partes sobre a outra, da atracção, é isso?, tentou ela indagar pormenores sobre a asserção de Albert. Para ser sincero, explicou ele, em geral o amor parece-me relativo. O Marquês.


2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).