<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2013-04-29


Verde código verde, iv. Se os mercados fossem só os mercados bastaria (deixar) as mulheres irem às compras. Segismundo

Referência

2013-04-26


Paisagem e regime de andaimes, ii. Quando é que o processo de remodelação governamental em curso chega à substituição do senhor primeiro-ministro? Nicky Florentino.

Referência



Paisagem e regime de andaimes, i. Nesta fase da estação, abundam os órfãos de Habermas que nunca foram filhos dele. O corolário é simples. Como sucede em qualquer plano, no plano político o consenso não suprime a necessidade de senso. Tivessem as senhoras e os senhores membros do governo senso, que é uma das condições primaciais da capacidade de governar, e não precisariam de, como andam, andar a armar ao consenso do mesmo que outrora, com a expectativa frouxa de deixa-os pousar, os cachopos armavam armadilhas aos pássaros. Nicky Florentino.

Referência

2013-04-24


pas de deux, xxii.

bom dia.

então?, o gato comeu-te a língua?
qual gato?
já vi que estás com os azeites.
queres o quê?


há uma revolução lá fora, não sei se sabes.
quero que a revolução se foda.
fiz-te algum mal?

fiz-te alguma coisa?
não. isso é o problema.
não te fiz mal? ou não te fiz alguma coisa?
um e outra.
a culpa é tua.
pois é. como sempre.
ontem não quiseste ficar.
e se tivesse ficado?

qual teria sido a diferença?
a que quisesses que tivesse sido.
mais ai, ai, está a doer-me?
estúpido.

és mesmo estúpido.
a revolução é lá fora, não me chateies.

vai ver se lá fora também te dói.

ai, um bocadinho.
para o caralho.
mais vale.

e mais, antes isso do que ser benfiquista.
O Marquês.

Referência

2013-04-22


Olhar ao dente, ii. A economia é uma ciência de enganados. Segismundo.

Referência

2013-04-21


Seja Jorge Luis Borges. Resumindo e concluindo, foi roubo à Capela na catedral. Os dromedários e séquito respectivo são de opinião contrária, cospem para dar lustro à glória da causa do pássaro. A lagartoise jubada está conformada, lambe-se na tristeza que pode. Razão, e toda, porque não há como ter razão que seja apenas numa parcela, tem o senhor Jorge Nuno Pinto da Costa, o único dom Nuno que há, vivo e a viver, que apontou, aquele homem do apito tem futuro. Atente-se, não é há-de ter futuro, não, é tem futuro, ou seja, já tem o que ainda não é. Um prodígio ou próximo disso. E depois vêm aquelas notícias sobre a tragédia anunciada, como a troca do mister Pereira pelo mister Jardim. Para filisteus, antes fosse o mestre Pomar. Intendente G. Vico da Costa.

Referência

2013-04-19


Sem o alto patrocínio da troika. Alvitre modesto. Faça-se fracking ao cérebro das senhoras e dos senhores do governo. Só para ver o que dá em excel. Nicky Florentino.

Referência

2013-04-17


pas de deux, xxi.

está a doer.
muito?
um bocadinho.

ai.
e agora?
um bocadinho.
antes também era um bocadinho.
ai.

devagarinho.
assim?
sim.
e assim?
um bocadinho. devagarinho.

ai. não.
gostas de mim?
sim.
e agora?
ai.
muito?
um bocadinho.
todo?
ai.
mais?
um bocadinho.

só um bocadinho.
O Marquês.

Referência

2013-04-15


Olhar ao dente, i. Para quem julga que uma mulher é apenas mulher, as mulheres são a mulher. A incapacidade de lidar com a complicação é uma das propriedades do juízo rombo. Segismundo.

Referência

2013-04-13


Season finale. Perder um troféu para uma equipa treinada pelo mister José Peseiro é um dos quatro resultados possíveis em futebol. O Futebol Clube do Porto, corre nele a segunda estação treva da era do peregrino, conheceu-o hoje. Até o Elvis depois de morto, se morreu, haveria de conseguir melhor. Intendente G. Vico da Costa.

Referência

2013-04-12


Estado banana split. Em termos políticos, portugal é chão marvel, sem heróis, sem super-heróis, pobre, pobrezinho, coitadinho, seja no governo, seja nas oposições. Não há quem consiga defender o reduto. Piso inclinado, escorregadio, muita casca de tremoço. Gentios, rosnai, ladrai, porém baixinho, a caravana está a passar. Em portugal a caravana está sempre a passar. Nicky Florentino.

Referência

2013-04-10


pas de deux, xx.

alto. pára.
estou inocente.
deixa estar. não acredito.
mas.
já fizeste a aposta?

está na hora de escolheres.
o quê?
não é o quê?, é entre o quê?
beija-me.
não.
então passa-me a corda.
ainda não apostaste.
um beijo primeiro.
não.
e se?
será. a tua sorte.
não quero quer seja a minha sorte, tenho azar.

e medo.

fica esta noite. anda.
não.
aqui, nós dois.
só depois.

hoje não.
O Marquês.

Referência

2013-04-08


Safari. Vem o fim, vem nada. Que. Pois, que. Se calhar. Pois, talvez seja isso. Às tantas. Que. A hesitação dos mortos com olhos de gato. Chamam-lhe narrativa. Que, a vírgula assinala a pausa. Que não tropeces, filho. Que não entorpeças, filha. Está tudo a acontecer. Excepto o que. Aquela coisa de que as coisas são cheias de graça e que assim chegam sempre, seja cego. Aquela ideia de que alguém não tinha tudo para ser um grande quê. Ou que, apenas que, sem acento circunflexo. Se isto fosse o facebook, minhas amigas, meus amigos, (quem sois vós?) que, o caralho. Ângulo morto, ponto morto, seja o que deus quiser, salve rainha, que não sou de fazer charme. Que. Estás para a paz, a das coisinhas, a do shopping center, a da narrativa em que, já cá faltava o que, em que Sísifo pode fazer inversão do sentido de marcha, marcha-à-ré. Vem o fim, vem nada. Se queres um conselho, não escrevas, não subscrevas o manifesto, qualquer que seja. Dá-lhe o corpo. Segismundo.

Referência

2013-04-03


pas de deux, xix.

estou apenas a perguntar mas julgo que já sabes.
sei o quê?
a pergunta.

diz o teu amor.
vai-te foder.
vou e venho, olha, como um balancé.

coração de pedra.
o caralho.
mais duro que pedra.
diamante, querem ver?
também é pedra.
mas preciosa.
má.
sou, benção exclusiva para ti.

mereces.
que fiz?
promessas.

sim, promessas.

que não cumpriste.
touché, culpado até à última casa.
ainda bem que reconheces.
culpado, não é?, é assim que queres?
não.
queres, queres.

mesmo assim, não desisto de usar a arma do amor.

weapon of love, como na canção.
vai-te foder. outra vez.

hoje não.
O Marquês.

Referência

2013-04-01


Se o lugar também é caminho. O espectro e as fronteiras misturaram-se. As moradas conhecidas são agora o êxodo. Um verso, with a bible of tricks they do with their legs,* afasta uma ideia, o sub verso. Os frutos ainda não começaram a cair. Mas a certeza disso já existe. As notícias são antigas e aguardam confirmação. A subversão reside cada vez mais na hipótese da precipitação e do engano que não se antecipa. É isso ser para a morte mais do que é ser para o retorno? Segismundo.
_______________
* in Nick Cave & The Bad Seeds, “Water’s edge”, in Push the Sky Away, Bad Seed Ltd., 2013.

Referência

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).