<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2013-05-22


quaresmas, iii. desse domínio que guarda a voz, se ainda penso nisso?, tenta-se esquecer mas não se consegue. como as recordações persistem, a memória repete-se até o que é recordado ficar escuro, escuro que ganha espessura com o passar do tempo, tornando a escuridão superlativa. cria-se uma espécie de caixa negra, onde a realidade que se pretendeu esquecer permanece viva. disse viva, não disse arquivada, entendes? o trauma acompanha-nos permanentemente e pode assaltar-nos a qualquer momento através da presença dele. não se vê, sente-se. não se esquece, convive-se com o se quer esquecer, convive-se tão íntima, intensa e arrastadamente, como um bombardeio contínuo, que nos habituamos à dor. não a domesticamos, aceitamo-la, aceitamo-la como parte de nós, como se fosse um parte nova que acomodamos. morremos com ela. O Marquês.


2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).