<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2013-05-15


quaresmas, ii. era tão frequentada por coisas más, fome, tanta que passei, miséria, tanta que tive, que aquilo tudo revoltou-me, como não haveria isso?, não podia ser, não fui nada e criada para viver daquela maneira, de modo que pareceu que então é que as coisas iam para diante e que não tornaria a ter que encontrar-me como me encontrei naquele tempo atrasado. revoltei-me, fui à luta com o alento e o entusiasmo todo de quem está a ver as coisas a poderem melhorar. andei por lá, noites e dias, dias inteiros naquilo, manifestações e assim, outras saídas do género, empenhada no bem que via e que vinha, a reivindicar direitos que não queriam que fossem nossos, pior, que queriam que não fossem nossos, como se o tempo de trás tivesse que durar para sempre da maneira que era. e o meu homem lá na cama, quebrado, coitado, dado ao mal que haveria de o roubar de mim, a sofrer. eu abalava e antes pedia às vizinhas que, se preciso, o acudissem, uma pinga de água, uma migalhita de pão, e elas iam. estava errada, eu ia e não devia deixá-lo ao deus dará, mas era uma força que fazia com que eu precisasse de ir e eu ia, errada, mas ia, até que ao fim e ao cabo tudo acabou. depois da liberdade larga e disparada não houve mão, veio a desorientação, a desorganização, cada um para o seu lado, como é que hei-de explicar?, vamos lá ver se eu consigo, perdeu-se aquela união, a preocupação de uns com os outros, voltámos a arrumar-nos quase ao que era antes, quase, quase, quase o mesmo, consegui explicar-me?, daí a tristeza que me anda no coração, carrego-a no peito, contristo-me por não termos sido capazes de agarrar a chance e termos deixado cair no chão o que estávamos a fazer, tanto passo para diante, tanto avante, e no fim de contas voltámos quase ao antigamente, como se não tivéssemos andado para frente, como se não tivéssemos empurrado as coisas, quase, quase o mesmo, é essa a causa da minha tristeza. fui mais feliz revoltada do que o que sou hoje. a fome e a miséria andam aí outra vez à solta e as pessoas a que calham não têm como defender-se, não conseguem defender-se. é triste, uma tristeza que dói. perder outra vez custa mais do que perder apenas uma vez, com a diferença de que da primeira vez nem sabíamos que tínhamos perdido, o que tínhamos perdido. uma tristeza, digo outra vez. O Marquês.


2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).