<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2013-02-27


matar por amor, iii. dizem que quando se sai de um lugar como aquele, que nos comeu tantos anos, que nos roeu e mastigou demoradamente a alma, costuma lançar-se um olhar para trás, para fazer um balanço e uma promessa de não retorno ali. é mentira. falo por mim, é mentira. saí e não senti necessidade de rever o que já tinha gravado em mim. ainda hoje sinto que os meus olhos têm tatuado dentro a imagem daquelas paredes, dos muros, das grades. sinto que tudo isto permanece imprimido na retina dos meus olhos. é com eles que me mostro e vivo permanentemente a minha culpa. por vezes, isto custa, ó se custa, custa como o caraças, julgo que estou amaldiçoado. mas pouco depois percebo que não. compreendo-me. estás a perceber?, compreendo-me. quando saí não olhei para trás porque não senti necessidade de lavar a culpa. talvez os outros tenham precisão disso, eu não, não tive. tenho noção perfeita do que fiz. fosse hoje, volvido todo este tempo, voltaria a fazer o mesmo. não me arrependo, não me arrependo do que fiz. O Marquês.


2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).