<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2013-02-13


matar por amor, i. o torpor morno da noite envolve as giestas, as pedras. a serra é áspera. Clementina, setenta e sete anos caídos no corpo, nos ossos e na carne, já doem, dos quais quarenta e dois, nunca houve outro, como viúva, ouve ruídos. o sono interrompido. o que é isto?, interroga-se em ideia. lembra-se que, ao fim da tarde, viu a porta do cemitério aberta e suspeita que assim deve ter ficado. almas à solta, coisa do fim do mundo, será?, ainda o pensamento a desfiar hipóteses que permitam explicar o barulho lá fora. ela benze-se, convoca as orações para a acompanharem na solidão e no temor. guarda o corpo tenso, dobra-o na posição fetal, deitada sobre o ombro mais afastado do coração. o demónio parece rondar a casa. o som de cascos batidos nas lajes prenunciam a presença da besta. besta plural, uma só mas como se fosse muitas, montada em patas multiplicadas. o som tocado na pedra é simultaneamente seco e curto, pesado. às vezes surge-lhe a respiração. o bafo daquilo parece estar no quarto, mas ela percebe que não está. o raciocínio corre em tropel, sem sela, apenas com o susto. a casa está cercada, quem anda aí?, por uma espécie de diabo. O Marquês.


Anonymous alfredo said...

;)  


Enviar um comentário

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).