<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2011-01-25


A Aníbal o que é de César. Notado por não poucos, no domingo à noite o discurso de triunfo do senhor prof. Aníbal Cavaco Silva foi um discurso ressabiado e masturbatório, pela soberba e autocongratulação expressas. Naquela varanda, na língua do fulano percebeu-se o frenesim da mão em exercício de cambota, frenesim também com dimensão moralista, a esgaramantear uma laustríbia, como assentou O’Neill. Mas há duas passagens da verborreia que merecem destaque. Uma é a alusão à «vitória histórica». Foi histórica porque aconteceu, não por causa da grandeza da mesma. A massa e o score eleitorais atigiram o nível mais baixo alguma vez logrado por um incumbente que se recandidatou à honra. E a abstenção atingiu o máximo em eleições para senhor presidente da república e, pela primeira vez, o limiar de 50% foi ultrapassado no conjunto do território nacional. Que alguém sinta vibração positiva disto e ouça glórias e hossanas cantadas para si nos pastos celestes merece respeito. A outra passagem que justifica destaque é a menção à «magistratura actuante». A expressão é estúpida, embora não mais estúpida do que outras que saturam o léxico político. Se não é actuante, a magistratura não é - por não poder ser - magistratura, é pusilanimidade. E fica a dúvida sobre o que significa a evolução semântica de «magistratura de influência» para «magistratura actuante». A magistratura de influência que pautou este mandato não era actuante? Seja como for, o facto de o senhor prof. doutor Aníbal Cavaco Silva afirmar que irá agir em benefício de portugal inteiro é sintomático. Fica sempre bem abjurar o bpnismo. Pelo menos por ora, quando já tantos pontapearam o cadáver disso e perceberam a necessidade de ultrapassar o luto por um dos sucedâneos do cavaquismo. Nicky Florentino.


Enviar um comentário

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).