<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-7878673483950887896', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2009-05-08

projecto mayhem

# iii
. como se este tempo fosse de esperas. não é. transeuntes. aconselho-lhes o fim. a narrativa da presença, quase uma história da comparência, e o programa da sua superação. exorto-os ao fim, à violência que o fim exige. o tédio impede o futuro, a anestesia social e as ficções que lhe estão associadas estendem o presente. insisto, alerto-os. o exercício da crítica, o ensaio, o manifesto, a acção. incentivo-os, o fim será nosso. o sistema resiste, resiste como organismo entranhado na carne, feito corpo. a doutrina é mais do que o enunciado de uma possibilidade, é a necessidade expressa e o apelo do impacto. o capitalismo sustenta o regime, a indústria sustenta o regime, a vigilância sustenta o regime. pronuncio o fim de modo a acordá-lo na paixão de quem passa. lapidar automóveis, lapidar tudo o que é móvel, tudo o que, pela dinâmica, ilude ou permite iludir o fim. o fim é o horizonte pelo qual a revolução é redentora. a força precipita-se para aí, a violência cresce sem se ver. é necessário implodir a ordem, porque a ordem sustenta a ilusão da animação. o tédio persiste, sem remoção. os corpos resistem brandos, presentes. a presença é alienação, o fim é emancipação. o sobressalto começa. haveremos de acabar, acabar todos. somos muitos, haverá sempre quem sobreviverá. não pode haver sobreviventes. haverá sobreviventes. o fim consumir-nos-á. a insubmissão estorva a revolução, porque suscita dúvida, segregação. o fim é um processo de arrumação, é a operação ontológica definitiva. haverá sobreviventes. é para eles a crónica possível destes acontecimentos. Edgar da Virgínia.


2003/2020 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).