<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-7878673483950887896', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2009-05-13


o sinédrio das abjurações, iv. o poder cai, disse Sztompka, enquanto chafurdava entre mousse de chocolate e vinho e café entornados que tingiam a toalha posta sobre a mesa, o poder não sobe. ou, assim é que é correcto dizer, o poder mantém-se, os poderosos, aqueles que detêm o poder, dominam enquanto dominam e depois caem. não são os subordinados que sobem. Werner ouviu Sorokin a rir. não me parece que tenha sido uma piada. o que ele disse soa-me a verdade, disse Werner, o poder é um malefício necessário. é um jogo, em que uns perdem e outros ganham. o ganho de uns é consequência da perda de outros e não o contrário. Sorokin levantou uma mão e, esquece a política, isto é uma orgia, concentra-te, reagiu. a reflexão política e a discussão que suscita produzem equívocos e dissonâncias, acrescentou Sorokin, separam, dividem, mais do que unem. havia uma mulher deitada sobre o soalho, no meio da sala, untada com gordura do jantar. tinha as mãos emprestadas à masturbação. parecia em agonia. ela diz que ele é o marido ideal, acreditas? aprecia a sua alegria, disse Sorokin, apontando a senhora Sztompka, que entretanto se juntou à outra mulher. agora havia duas mulheres estendidas no chão a beijarem-se e a acariciarem-se reciprocamente. a cena era crua e sensual. isto é grotesco, clamou Sorokin, aplaudindo de pé o que via. não o suficiente, interrompeu-o Werner, que se levantou, brandiu o atiçador de brasas que havia recolhido do rebate junto à lareira e, com o lado do gancho pequeno, arpoou violenta e repetidamente o corpo das mulheres, transformando os gemidos de gozo delas em gritos lancinantes. perante os corpos desfigurados, Werner consertou a melena com a mão esquerda e após arrumou o atiçador no suporte respectivo. é tarde, estou cansado, vou retirar-me. agradeço-te o jantar e o sarau, Sztompka, foi agradável. amanhã continuamos a discussão. iluminado pelas labaredas da lareira, o corpo de Werner cresceu nas paredes, como sombra. ao mesmo tempo, concentrado nos corpos destroçados, Sztompka despejou mais mousse de chocolate e vinho sobre o peito e a camisa. os poderosos caem, repetiu, assobiando uma onomatopeia que sugeria queda, acompanhada por um gesto com o polegar virado para baixo em movimento descendente. Sorokin, ajoelhado e debruçado, lambia os corpos ainda cálidos das mulheres. O Marquês.


2003/2020 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).