<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-7878673483950887896', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2009-05-16


Memória dos dias do fim. Antigamente, antes da oportunidade de descobrir a prosa do senhor prof. doutor João Carlos Espada e do senhor prof. doutor João César das Neves, um gajo tinha dificuldade em alcançar publicações periódicas decentes e, por conseguinte, orientações edificantes. O mais aproximado disso que havia a circular na cidade pequena, recomendado por um ror de marcas de máquinas de lavar roupa, era a revista Gina e o almanaque Groo, the Wanderer. Isto e os jornais desportivos. A Bola saía às segundas, quintas e sábados, o Record saía às terças, sextas e domingos. Da periodicidade da Gazeta dos Desportos não vale a pena fazer a arqueologia agora. Seja como for, quando, no princípio da primeira aula da manhã, um gajo clamava este filho da puta e riscava com raiva a efígie do Boniek, a abalroar o João Pinto dos prognósticos só no fim do jogo e a aproveitar para atentar contra a verdade desportiva, cena exposta a colunas várias na capa do jornal desportivo do dia, uma quinta-feira, um gajo era expulso da sala por um professor de português em regime de substituição - seguramente um benfiquista ressabiado -, mas sabia que podia ir tomar o pequeno-almoço no bar, o que fazia tranquilamente, com o jornal desdobrado e consciente de que a regra do golo em hectare alheio render o dobro no cômputo de cada eliminatória dos troféus da eufa não valia em jogos de final. Basel não era a casa dos outros, a dos que jogaram com camisola amarelo Simpson. Filhos da puta. O Platini, agora gordo e todo muito fairplay e contra a batota, era um deles. Marcado para o resto da vida. A tristeza não foi em vão. Baú (do Segismundo).


Publicar um comentário

2003/2020 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).