<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-7878673483950887896', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2009-05-19


Encher preservativos. Os arquivos da estupidez são elucidativos. As pessoas tendem a rir como hienas perante a estupidez alheia quando documentada e exposta. É como ver os assomos de um arquitecto, está tudo lá dentro. E é assim porquê? Não é por a estupidez ser rara, que não é. É por a estupidez espraiar-se sobretudo em regime de reserva, com cautela, em espaços e sob condições que não permitem facilmente as suas identificação e denúncia. A estupidez franca, publicitada, embora também frequente, não é tão frequente e consequente quão a estupidez reservada. O que, por si, é um indício de que a estupidez não é um jorro de desatino incontrolável. A estupidez é capaz de se resguardar. Aliás é quando se sente protegida - o que no caso significa impune - que a estupidez mais tende a ousar ser estúpida e consequente. Sob os modos mais diversos. Isto a propósito de uma professora que não sei o quê sobre educação sexual em exercício lectivo. O que talvez devesse preocupar um bocadinho. Pelo modo como a estupidez foi documentada na circunstância e serviu a denúncia, através de uma gravação áudio feita por uma aluna numa sala de aula (1). E pelo que revela que é necessário fazer também pela educação sexual de quem professa em sala de aula (2). A viúva.
__________
(1) Com jeitinho, o big brother em panáudio, posto nas mãos de cada uma e um de nós, talvez um dia venha a ser capaz de foder cada uma e um de nós também.
(2) Aliviar as tensões da líbido é bom. A cópula é nossa amiga. A masturbação também. E sexualmente não há prova melhor do que a experiência, enquanto vivência e ensaio, tipo seja o que deus quiser, sem que deus tenha puto a ver ou a haver do assunto. Com umas conversas prévias, claro, para desbravar a matéria e a prática. Porque, sendo prazenteiras - sobretudo a prática -, tais matéria e prática têm as suas consequências. Algumas delas bastante desagradáveis. Estar avisado disso não faz mal. Como mal não faz resolver a tesão. Como se não houvesse amanhã ou depois. Porque há. Convém apenas estar preparado.


Publicar um comentário

2003/2020 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).