<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-7878673483950887896', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2009-04-01


estrada nacional cento e vinte e dois. estacionei o carro na berma da estrada, carro que foi muitas vezes o altar da nossa paixão e da sua consumação. mudei-me para o banco de trás, para ficar ao teu lado. despertei-te, sacudindo-te o corpo. era já manhã. outros veículos, ligeiros e pesados, circulavam a velocidade alta e faziam-nos estremecer. tu mal acordada, quase despida, eu diante de ti. fiz-te a pergunta porquê? sem querer, menos ainda desejar, a resposta. eu já sabia porquê, não necessitava da tua confirmação. eu tinha visto tudo, eu tinha-te visto. porquê? serviu de pretexto. na verdade, quanto fiz a pergunta já sentia a cartilagem da tua traqueia a falir sob a pressão dos meus polegares. sabia que, como a culpa, a resposta não podia sair de ti. mas, mesmo assim, algo em mim sentiu necessidade de a exigir. as palavras costumavam aproximar-nos, fazer-nos íntimos. talvez tenha sido isto que me fez perguntar-te porquê?, a pergunta simultaneamente da acusação e da sentença. O Marquês.


2003/2020 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).