<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2008-12-10


Then we take Berlin, i. Estás a olhar os teus pulsos e a perguntar o que podem sofrer mais. As mãos parecem-te demasiado estranhas, fora de ti. Ao mesmo tempo, através delas, a corda que te maniata traz-te uma sensação dolorosa e uma concepção que já conheces. Liberdade é folga, todavia não é folga que desejas. Neste instante ambicionas mais do que isso. Queres que a corda se transforme num instrumento teu, seguro, nas tuas mãos. Não obstante percebes que isso não irá acontecer. Mudas o plano da resistência. O embate começará mais atrás, no teu reduto, admites. Não estás preparado para tal, ninguém está preparado. Mesmo assim esperas o impacto. E chega-te uma esperança nova através da espera. A duração da espera torna-se a primeira linha da tua defesa. Fia assim a ilusão que te sustenta. Começas a libertar-te das coisas. Antes que a corda ceda ou o aperto em torno dos teus pulsos afrouxe, livras-te das mãos. Soltas-te como podes. A dor persiste, mas deixa de dominar-te. Agora és tu que te dóis. Segismundo.


Enviar um comentário

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).