<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2008-11-25


Pode um gajo soltar o Bernard Hinault que sobrevive em si? Pedalar é mais ou menos como foder. Há quem esteja para aí virado, há quem não e prefira estar quieto ou a masturbação. A isto há a juntar mais dois ou três pormenores fulgurantes. Para além da dificuldade que constitui, andar de bicicleta é um luxo do caralho. Uma bicicleta com pinta custa caro e mais vinte porcento de imposto sobre o valor acrescentado. E depois há o problema das inclinações. Ó, as inclinações são fodidas. Na capital do rectângulo, parece, mais ainda. A pedalar não há bofe e higiene que aguente do saldanha até ao campo grande. Ida e volta é pior. Se um gajo toma banho e põe desodorizante nos sovacos não é para andar de bicicleta. Um dr. tem que manter a compostura. Gravata e carro com o gajo, três em um. Os zombies urbanos são assim. Podem até aparar os pêlos do nariz e das orelhas, mas são assim. Se andam de autocarro, eléctrico ou metropolitano não são diferentes. Distinguem-se apenas num pormenor. Como têm passe não estacionam o carro à lavrador ou em cima dos passeios. Esqueçam a diferença entre gajas e gajos. Porque se as inclinações são fodidas, as saias não são menos. E as gajas usam ou podem usar saias e depois lá vem o vento e as saias delas levantam-se e um gajo vê que tipo de cuecas é que elas usam, se fio dental ou não, e isso não é bonito. Na cidade pequena a disposição - ia para escrever raciocínio, mas não é necessário abusar - é mais ou menos a mesma. Prova? As balofas continuam a encafuar o carro, cada uma o seu, à porta do ginásio ou o caralho que as foda. Agora deve ser por causa do frio e da lama. Putas sensíveis e finas, devem ser. Se pudessem, iam fazer step, tapete e bicicleta de carro. Cambada de lambisgóias. Ele sabe. Já viu muitas e não recorda uma a que possa dizer-se benza-te deus. Todas tinham arzinho de servir para fazer canja. Balofas e camafeus a transpirar, foda-se, a paisagem deve ser assustadora. Se calhar até conversam sobre os cremes com que se bezuntam e sobre técnicas de depilação enquanto inalam os vapores do balneário. Consta que muitas não tomam banho. É vê-las a correr para o carro com o saco às costas, onde o equipamento de esforço chocalha, a ansiar pelo duche caseiro. Correm quase nada, dez metros no máximo. Uma espécie de rapidinha. Tansas do caralho. E se houvesse solário na paróquia?, ó, isso é que era mesmo bom, uma maravilha, para as gajas poderem expor-se ao écran como os bichos escamosos assentam ao sol. Perante isto, um gajo recorda o genérico inicial do Verano Azul, o Piraña e aquela cachopada toda a pedalar, a assobiar e contente, e percebe que aquilo era só para a teelvisão. Tudo mentira. Porque ou o chão é plano ou está quieto ó mau, pedalar o caralho, pedala tu e é se queres. E agora os argumentos derradeiros. Darwin nada dissertou sobre bicicletas. O sossego, portanto. A malta não passou de macaco a humano com a invenção da roda, menos ainda da bicicleta, que implica inventar duas rodas e dois pedais. Caso assim fosse, então, seguramente que a evolução para o triciclo teria sido um passo mais importante do a invenção da pólvora ou do lsd. O que, hossana nas alturas, não foi. E o tandem?, ó Toutanis, o tandem. Foda-se. Mandem foder os lagartos das galápagos. Fixem-se nas balofas. Finalmente. O Jack Bauer, já cá estava a fazer falta, não pedala, meus amigos. O Jack Bauer é mais tecnologia de ponta. Ipods e o caralho, tudo apple, ligado a satélites potentíssimos, nada tipo a merda do magalhães. Às vezes ele nem aponta e acerta à mesma. Da sig p228 à usp compact é evolução? Bá. A performance do gajo é cem em cem, mil em mil. Os maus que se cuidem, porque o que conta é que o Jack Bauer não se aproxima de bicicleta. Aproxima-se com balas ou porrada, sempre a matar. É o seu exemplo que devemos seguir, maxime na cidade das sete colinas. Já disse?, as inclinações são fodidas. Por isso quem quiser andar de bicicleta que faça como as balofas da cidade pequena. Vá de carro até ao ginásio. Segismundo.


Enviar um comentário

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).