<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2008-11-05


Mr. november. Na américa as ideias têm uma força extraordinária. Há de tudo, do bom e do mau, em proporções do antigo testamento, com impacto sobre a ordem e o estado das pessoas e das coisas assim como sobre a mudança ou a transformação de tais ordem e estado. Durante a última madrugada, aqui, no meridiano do rectângulo, ficou a saber-se que um neguinho escanzelado vai ser o próximo mister mundo, confirmando-se o vigor do seu slogan de campanha, yes, we can. Muitos asseveram tratar-se de um momento histórico. Talvez seja. A partir de janeiro próximo, o commander in chief norte-americano será um baap e não um wasp. Um baap é um nigger nada ou pouco cocksuckermotherfucker, consta que um espécime de uma minoria dentro de uma minoria. Nicky Florentino. Ao contrário do que muitos pretendem, não surpreende a eleição de quem será o futuro hóspede da casa branca em washington. De facto na américa as ideias têm uma potência extraordinária e suplantam ou transformam ocasionalmente as forças duras da ordem e do estado das pessoas e das coisas. Atente-se no caso seguinte, para perceber-se que a madrugada anterior não confirmou algo que mereça ser classificado como excepcional. Recentemente um canal de cabo emitiu um documentário sobre fulanos estacionados no corredor da morte em prisões norte-americanas, a aguardar a execução da sentença respectiva. Embora todos exalassem algo que atraía e fascinava as mulheres, um deles destacou-se dos restantes pelos factos expostos adiante. Um dia, fresco no cárcere, ele recebeu a visita de uma das psicólogas do estabelecimento prisional. Ela de um lado das grades, ele do outro lado. Ele olhou-a nos olhos e ela sentiu de imediato um efeito de domínio que não consegue explicar. Uma força misteriosa vencia-a. Recorreu ao repertório de tácticas psicológicas, recomendadas para situações do tipo, mas ele controlou o encontro. Ela tentou estabelecer um diálogo com o condenado, para cumprir um procedimento institucional qualquer - redigir um relatório sobre o fulano ou não sei quê -, mas, às tantas, ele informou-a que apenas com a força do pensamento conseguia intumescer o pirilau e suscitar-lhe a ejaculação. Ela duvidou, provocou-o e ele dispô-se a provar a sua capacidade naquele instante. Em dois minutos a erecção estava consumada, em oito minutos ocorreu a purga de sémen. Isto sem qualquer estímulo físico, manual ou de característica outra, e mantendo ele um diálogo fluente e não lascivo com a interlocutora durante mais de sete minutos. Exposta perante prodígio tamanho e a evidência de quão podia a ideia daquele homem sobre a matéria, a psicóloga abdicou do emprego público - na sequência tornou-se proprietária de uma oficina de automóveis -, para poder envolver-se afectivamente com o condenado, tendo contraído matrimónio com ele. Mudança implica tesão, é o que é. O que significa que, se alguém duvida da potência das ideias (e dos afectos) na américa, não é com o que aconteceu ontem que pode considerar-se esclarecido. Quando comparado com a proeza do condenado, entretanto executado, o que aconteceu ontem é uma banalidade. Uma viúva atesta-o. O morto, esse, era tão ou mais escuro do que o mister Obama. Segismundo.


Enviar um comentário

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).