<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-5653591469084247704', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2010-10-19


Teoria da acção racional aplicada. As gajas são complicadas. Instruídas e já sem terem que se preocupar com a freguesa ou o rol, querem um gajo que seja tudo, einstein e tarzan, não metade de um e de outro numa combinação, não, um e outro em simultâneo. O catálogo de exigências é como elas, complicado. Um gajo deve deter virtudes universais, de modelo, e, ao mesmo tempo, ser único. Um gajo deve ser charmoso, simpático, compreensivo, alfa, às vezes um bocadinho bruto, abonado e com cartões, que goste de aventuras mas esteja sempre por perto para atender às necessidades da dama sempre em perigo, porém sem a acudir ou sacudir muito, para não a despentear ou amassar o vestido dela. Um gajo tem que saber dosear a relação com o carácter emancipado e a fragilidade das gajas. Entre a autonomia e o amparo, a equação oscila ainda com os humores e a menstruação delas. Na prática as gajas querem que um gajo seja igual aos mutantes das revistas e da publicidade, sem pêlos, com abdominais de ginásio, biceps de crawl ou mariposa, que vivem numa ilha paradisíaca, apanham côcos e peixe com as mãos, discutem tópicos cosmopolitas, abrem a porta do automóvel, empurram o carrinho da menina ou do menino e no sexo estão mais para maratonista ou piloto do dakar do que para velocista ou piloto de dragsters e, claro, dedicados aos preliminares, porque as gajas acreditam no preceito segundo o qual quem vai ao mar precisa de aviar-se em terra e elas gostam de estar em terra e demorar nos exercícios de aquecimento. Um gajo é menos previdente, um gajo quer é aviar-se e pronto, mas um gajo para as gajas tem que ser um gajo dedicado, como se estivesse diante de um touch screen. É por isso que um gajo treina carícias com o ipod, o iphone e o ipad. Porque as gajas são como são, na relação com elas um gajo necessita de usar um dispositivo de redução da complicação - complexidade é um assunto diferente. Que dispositivo é esse?, é o juízo. Porque a alma das gajas é rebitada e o espírito de um gajo é simples, a um gajo basta que a gaja seja boa, porque é ou não é. E não se fala mais sobre o assunto. Sobretudo com gajas. Embora com os gajos não seja diferente. Segismundo.


Blogger ...... said...

Achei este texto uma delícia... espero que não haja problema de o deixe à pesca numa das redes sociais que costumo frequentar....  


Enviar um comentário

2003/2022 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).