<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttps://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-5653591469084247704', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2007-07-31


Mulherzinhas à beira de um ginásio. Um rapaz não é um animal territorial. É territorial apenas. Certas necessidades suas obrigam a reserva, espaço. Estacionar o carro é uma dessas necessidades. Outra é andar a pé, em sossego, sem ter que fazer slalom entre as carretas que as meninas e algumas senhoras donas estacionam como se, junto ao ginásio, com instalações encavadas numa ruela, o pedaço fosse delas, todo delas. Dá vontade de clamar vão para o raio que as parta, mas elas não vão. Elas vão trabalhar a silhueta para o biquini, tentando disfarçar as estrias e as pregas adiposas que acumularam desde setembro passado. Talvez não seja assim, porém todas parecem ter o mesmo raciocínio. O biombo em que se transportam tem que ficar o mais próximo possível da porta do ginásio. Até ao limite. Mesmo o limite. Se fosse rebate, seria o rebate. Mas é rampa. As mais expeditas, essas, estacionam o carro no meio da ruela, impedindo o trânsito que deveria ser raro ou nenhum, mas que, por conta da praga que elas são, é frequente. Durante uma hora, nada há a fazer. As meninas estão envolvidas com o equipamento do ginásio, a suar a carne. Quem quiser transitar que espere ou convoque a polícia que, experiente de muitas vésperas, já sabe o caso. A autoridade nada faz, revela a sua impotência e alude à natureza. À paciência. Paciência?, paciência? O problema é que a disposição dele não é à paciência e a canícula de ananases, como escreveu Fradique Mendes, também não é condição para isso. Menos ainda em relação a camafeus que, além da celulite, parecem ter uma placa de platina na cabeça. Cambada de balofas. Segismundo.


Enviar um comentário

2003/2022 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).