<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2013-02-27


matar por amor, iii. dizem que quando se sai de um lugar como aquele, que nos comeu tantos anos, que nos roeu e mastigou demoradamente a alma, costuma lançar-se um olhar para trás, para fazer um balanço e uma promessa de não retorno ali. é mentira. falo por mim, é mentira. saí e não senti necessidade de rever o que já tinha gravado em mim. ainda hoje sinto que os meus olhos têm tatuado dentro a imagem daquelas paredes, dos muros, das grades. sinto que tudo isto permanece imprimido na retina dos meus olhos. é com eles que me mostro e vivo permanentemente a minha culpa. por vezes, isto custa, ó se custa, custa como o caraças, julgo que estou amaldiçoado. mas pouco depois percebo que não. compreendo-me. estás a perceber?, compreendo-me. quando saí não olhei para trás porque não senti necessidade de lavar a culpa. talvez os outros tenham precisão disso, eu não, não tive. tenho noção perfeita do que fiz. fosse hoje, volvido todo este tempo, voltaria a fazer o mesmo. não me arrependo, não me arrependo do que fiz. O Marquês.

Referência

2013-02-25


Escala de Walden, v. As pessoas nunca são livres, no sentido em que jamais foram, são ou serão isentas absolutamente de algo, mas são mais livres quando se libertam da vontade própria. Segismundo.

Referência

2013-02-22


Voice, exit, and. O senhor ministro adjunto e dos assuntos parlamentares não é gatuno, não é fascista, é o que é, apenas isso. O que é justamente o problema, tanto quando ele fala quanto quando ele cala. Depois há o resto. As condições e as circunstâncias sociais, causas de contingência e de improbabilidade, também contam e devem ser consideradas na equação política. Daí que seja estranho que exista tanta alma douta espantada ou surpreendida por às vezes as instituições não conseguirem a instituição respectiva. Não é nesses momentos que a democracia está em crise ou que justifica afirmar-se que foi abalroada. O episódio ocorrido no iscte-iul não está mais para o fim da democracia ou para a violação de direitos do que está a governação da entente Mamede, Rabaça & Cassola - recorde-se, por exemplo, a sentença famigerada do tribunal constitucional. As consequências têm causas e é característica das causas gerarem consequências. Por causa disso há alertas seculares. Quem semeia ventos colhe tempestades. Quem com cães se deita com pulgas se levanta. O povo é sereno, o caralho. O povo é popular e é mais quem mais ordenha do que quem mais ordena. Às vezes berra, faz banzé, mostra as maneiras da classe. É proporcionar-lhe motivo para que não. Quem vai ao mar avia-se em terra. Depois da tempestade vem a bonança. O raio é que, mesmo no plano político, a bonança só dura entre tempestades. E na estação em curso o mar está crespo. Nicky Florentino.

Referência

2013-02-20


matar por amor, ii. um estrondo súbito interrompeu ainda mais a noite e aumentou o alvoroço que vivia dentro de Clementina. um tiro, pareceu um tiro. no quarto contíguo a irmã de Clementina acordou também. a besta multiplicada bateu em fugida, chocando brutamente com a casa, fazendo vibrar as paredes, as portas, as janelas, o vigamento do telhado, o soalho. talvez tenha sido o Baltazar, murmurou a irmã, devem ter ido outra vez às dele. Baltazar é sargento da guarda nacional republicana, aquartelado na vila, e habita ali desde quando casou com a Alice do Brás das botas, sapateiro já morto, proprietário das terras e casa que ela herdou. Baltazar e Alice criam rezes para vender no mercado e têm duas vacas leiteiras para gasto próprio. que queres dizer com isso?, parecia o demónio lá fora. o demónio, fosse o que fosse, ia já longe, indiciava o abafamento crescente da cadência do trote da besta produzido pela distância. qual demónio?, qual quê?, aquilo era mas é o gado bravio do doutor, que anda para aí às soltas e às vezes, à noite, baixa aqui ao lugar. estragam tudo, é uma desgraça. há uns meses até se afoitaram a ir ao curral do Baltazar, ele estava de serviço, e cobriram umas vitelas que ele tinha lá na engorda. foi um prejuízo doido. teve que abatê-las e ainda teve que pagar para as queimarem. e a Alice, coitada, não ganhou para o susto. de visita à irmã, Clementina, já levantada e à porta do quarto, e que é lá isso do gado do doutor andar à solta?, nada sabia destas novidades. O Marquês.

Referência

2013-02-18


Cu cu. Pelo Luís. Segismundo.

Referência



Stranger than paradise. Não é no espírito santo que reside a diferença entre quem resigna e quem se resigna. Segismundo.

Referência

2013-02-13


matar por amor, i. o torpor morno da noite envolve as giestas, as pedras. a serra é áspera. Clementina, setenta e sete anos caídos no corpo, nos ossos e na carne, já doem, dos quais quarenta e dois, nunca houve outro, como viúva, ouve ruídos. o sono interrompido. o que é isto?, interroga-se em ideia. lembra-se que, ao fim da tarde, viu a porta do cemitério aberta e suspeita que assim deve ter ficado. almas à solta, coisa do fim do mundo, será?, ainda o pensamento a desfiar hipóteses que permitam explicar o barulho lá fora. ela benze-se, convoca as orações para a acompanharem na solidão e no temor. guarda o corpo tenso, dobra-o na posição fetal, deitada sobre o ombro mais afastado do coração. o demónio parece rondar a casa. o som de cascos batidos nas lajes prenunciam a presença da besta. besta plural, uma só mas como se fosse muitas, montada em patas multiplicadas. o som tocado na pedra é simultaneamente seco e curto, pesado. às vezes surge-lhe a respiração. o bafo daquilo parece estar no quarto, mas ela percebe que não está. o raciocínio corre em tropel, sem sela, apenas com o susto. a casa está cercada, quem anda aí?, por uma espécie de diabo. O Marquês.

Referência

2013-02-11


Crassa moralia, iv. Como qualquer outra modalidade de assistência, a ajuda é um modo de extorquir dignidade. Segismundo.

Referência

2013-02-06


o trono. este cálice, filho, só pode haver um rei, é para ti. O Marquês.

Referência

2013-02-04


Der Mann ohne Eigenschaften. Do mesmo modo que há quem seja impelido pelas condições de existência ou pela circunstância a fazer das tripas coração, há quem sem necessidade de sair da província confortável faça das tripas cérebro e do produto dessa operação dê evidência através de declarações públicas. Aconteceu mais uma vez com o senhor dr. Fernando Ulrich, maioral colendo do banco português de investimentos, uma das entidades usurárias que, também por responsabilidade de tal fulano, não aguentou a parada e usou a mama geral da república, euros a granel, para nutrir o toucinho próprio e tonificar a capacidade prestamista. O caso não é apenas o raciocínio escatológico que ele expôs e repetiu à marabunta pátria - ou a jactâncida da exposição e da repetição -, é também e sobretudo a condição que erigiu como padrão para medir a fauna gentia doméstica, a condição de indigente. A manobra não é inédita. Conta-se que outrora já houve filhos da puta também com coturno levantado e de extracção burguesa com dificuldade em conceber, admitir e reconhecer cada pessoa como alguém com estatuto de cidadão. A fábula em que um porco ditou but some animals are more equal than others é antiga. Convém não permitir a tranquilidade de quem, porco ou de espécie diferente, ainda hoje isso. Segismundo.

Referência

2013-02-01


O que tem de ser tem muita força. Quem não tem força sabe que algo, e não pouco, é jogado quando se diz, quando se enuncia, quando se nomeia. Neste sentido dizer o contrário do que é é uma hipótese disponível tanto para fracos quanto para fortes. Pouco importa que os fortes não tenham mais e os melhores argumentos. O combate é semântico, portanto político. Daí que os fracos tendam a perder o combate. Se não a bem, a mal. Porque o combate é também de espírito. Nicky Florentino.

Referência

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).