<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2012-09-28

Nada. A política de tudo para todos não é recomendável. E não é recomendável não porque tudo e todos sejam demasiado mas porque tudo e todos são o caralho e não chega. Há éticas que fazem contas. Nicky Florentino.

Referência

2012-09-24


Com oito ipods enfiados pela cona adentro. A sério, daqueles pequeninos.* É um erro julgar que isto acaba assim ou bem ou sequer que pode acabar. Basta testemunhar o tom entre catequista e professor da telescola com que são pregados - pregados não no sentido de alardear mas no sentido de encavar cavilha afilada numa ponta e com cabeça no extremo oposto onde possa assentar maço ou malho - os sermões dos senhores drs., eng.ºs e doutores do governo. Agora veio uma dessas eminências com uma conversa sobre cigarras e formigas e as proporções de uma e outra das espécies. Parece que a conversa tinha jeito de homenagem. Está bem, o outono seja benvindo. O raio é que o estertor de qualquer história já só faz lembrar aqueloutra que envolve oito ipods enfiados. Se o senhor ministro da administração interna não tem aquilo onde, pode embainhar a dose exactamente ao lado, no outro lado do períneo. Segismundo.
__________
* Manuel João Vieira dixit no final do último episódio da série Um Mundo Catita (9:05-9:25).

Referência

2012-09-21

Da governação. Por um motivo qualquer, há sempre quem pretenda governar a pátria ditosa em regime de coito interrompido. Agora é com conselho de coordenação da coligação. Foda-se lá para a coligação e para a coordenação e vice-versa. Nicky Florentino.

Referência

2012-09-19


cinco sentidos. blafesmou. ao ímpio arrancaram a língua, cortaram as mãos. os castigadores permitiram que ele ficasse com os olhos, as orelhas e o nariz, para que pudesse ver o deus invisível, ouvir o deus silencioso, cheirar o enxofre da fúria divina. O Marquês.

Referência

2012-09-17

Portugaloz. If I only had a brain. If I only had a heart. If I only had a nerve. Canções e coreografias para a estação, por personagens da estância governamental em órbita. Nas cenas às vezes aparece um cachorro, é como o senhor doutor António Borges. Segismundo.

Referência

2012-09-15

o desgoverno não é órgão de soberania.
o desgoverno não é órgão de soberania.
o desgoverno não é órgão de soberania.
o desgoverno não é órgão de soberania.
o desgoverno não é órgão de soberania.

Referência

2012-09-14

O falhanço que não é falhanço por não poder ser falhanço, segundo o senhor doutor Rabaça. Em entrevista publicada na edição de quarta-feira do diário de notícias (n.º 52.384, 12.setembro.2012, pp. 6-9), o senhor ministro de estado e das finanças afirmou que “não há nenhum falhanço na execução orçamental” (p. 8). Por isso não demorou a explicar o «falhanço na execução orçamental» como se não fosse «falhanço na execução orçamental» nos termos seguintes: “o que acontece é que, se temos um ajustamento em que a contracção da procura interna é maior do que se previa no programa, e a contracção da massa salarial é também maior do que a que se previa no mesmo programa, temos efeitos sobre as receitas fiscais e sobre as contribuições sociais. Por outro lado, (...) o desemprego tem tido uma evolução mais desfavorável, o que, conjugado com alguns dos outros efeitos já referidos, tem como consequência que o orçamento da segurança social sofra um peso bastante maior” (pp. 7-8). Vamos lá a ver, «programa» não é «orçamento» e um e outro não têm qualquer relação, ó cambada de ignaros. Por isso é que, assente-se - e ora mais sete porcento -, as estimativas inscritas no orçamento não foram falhadas, as previsões do programa é que não foram acertadas. Nicky Florentino.

Referência

2012-09-10

Página do livro das sentenças, lxiii. Tudo é universo, tudo é diverso. Segismundo.

Referência

2012-09-07

Zona de conforto. Foi anunciado. Inaugurado o ano que há-de vir, dois mil e treze, o catoze do milénio, na pátria ditosa o sedentarismo passará a custar mais sete por cento a quem vive do suor. Quem quiser melhor tem remédio bom, que viva de réditos, rendas, heranças, dividendos. Os gentios exultam, ainda por cima agradecidos e esperançosos - quem é que não gosta de ter de pagar mais para trabalhar?, se se paga para comer e beber e ninguém se queixa -, com o cenário anunciado e mandado pelo senhor primeiro ministro. Primoministrar assim é um asseio, porque o que é necessário é aliviar este chão pejado não apenas de sobejos de professorado mas sobretudo de portugueses, essa espécie autóctone e mandriona, dada à lassidão e a anseios e gastos superiores ao que mandriice permite. Emigrai, gentios, xô, emigrai, abri alas à vontade dos gestores de insolvência que desgovernam e representam no reduto doméstico a entente usurária e prestamista e quanto lhe subjaz. A felicidade virá depois. A felicidade vem sempre depois, da miséria ou da emigração. Pelo menos quando e para quem há depois. Ou isso ou a partir de janeiro próximo passa para cá mais sete por cento, que é uma beleza. Custe o que custar. Que custa quase nada. Pelo menos segundo algumas orações de Illinois. Nicky Florentino.

Referência

2012-09-05


Livrete dos anjos sujos

# xiv
. Uma carta fechada, com um volume macio pequeno e o nome dela no destinatário, os olhos aí concentrados. O encontro foi fortuito, estava entre a tralha que constituía a memorabilia de quem conseguiu sobreviver a mais de oito décadas, alegrias, desalentos, acidentes, doenças, festas, baptizados, casamentos, funerais e romarias, guerras, crises, oscilações nas bolsas, nos mercados, na cotação das moedas correntes, nas taxas de juro e, mais recentemente, no spread, regimes, governos, eleições disto e daquilo, nacionalizações, privatizações, viagens, marido, as amantes dele, os amantes dela, filhos, netos, telefonia, televisão, telefone, telemóvel, grafonola, giradiscos, leitor de compact discs, ipod, iphone, ipad, holocausto, apartheid, uma rusga da polícia no início dos anos setenta, experiências alucinogéneas, folhetos de promoções e publicidade e novidades gerais de que leu ou ouviu notícias. Apesar de desconhecer qual fosse o seu conteúdo, aquele envelope agarrado por ela parecia acumular história, sentimento e espanto. Sentiu uma tremura dentro da tremura que a idade lhe trouxe às mãos. Rasgou-o com cuidado, curiosidade de gato e a intenção de, caso viesse a encontrar algo revelador ou surpreendente, expiar o peso da viuvez naquele momento. Leu a denúncia contida na carta, poucas palavras, Malaquias Krunegård tem asas, sete de novembro de mil novecentos e cinquenta e um, uma pena amarelecida junto. Nada que, bela merda, ela não soubesse já, voltando a solidão e a certeza dos dias mesmos a carregá-la após aquele intervalo súbito. Tentou telefonar a um dos filhos, o segundo, o único entre os cinco que também tinha asas. O sinal de chamada soou uma, duas, três, quatro, cinco vezes, a ansiedade foi crescendo ao ritmo dos toques, até que ouviu uma voz a anunciar a chegada à caixa de mensagens. Acto contínuo, este palerma nunca atende quando é preciso, desligou. Eliz B.

Referência

2012-09-03

On the origin of species by means of natural selection, or. Sábado metido já pelo domingo, jornada longa. Desvio, com passagem pelo estabelecimento do profeta para pasto e retempero tardios, ela porque ia dormir a seguir, ele porque ia continuar a empreitada. Na volta, à entrada da cidade pequena, contornada a primeira rotunda e imediatamente antes da segunda, ela exclamou e perguntou, olha, um macaco, o que é que anda a fazer aqui um macaco? Apesar das desoras e das encruzilhadas em forma de círculo antes e depois, o macaco diante do carro era um dálmata, solto, em movimento desatinado, de canídeo, não de símio. Ainda assim, pelo comportamento na circunstância, surge plausível admitir que o cão também tenha visto macacos a evoluir no asfalto. Não ladrou. Segismundo.

Referência

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).