<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2012-07-30

Página do livro das sentenças, lxii. Sobre tudo é sobretudo demasiado. Segismundo.

Referência

2012-07-25

Moriarty morreu?, ix. ambiente abafado, estavam a fazer a manutenção dos aparelhos de ar condicionado. é para si, lieutenant, atende? dirigiu-se à secretária, pegou no telefone. quase não houve conversa. sentou-se. os cotovelos assentes sobre a secretária, a cabeça depositada nas mãos, gesto breve, o suficiente para permitir a concentração. a narrativa que andamos a perseguir é produto de demência, o exaspero, às vezes sinto-me a enlouquecer com tudo isto. quem era?, lieutenant. um suspiro, ele, era ele, uma pausa breve, estávamos enganados, enganei-me. O Marquês.

Referência

2012-07-23

Página do livro das latitudes, xxix. Quem sem deus comete os mesmos erros que quem com deus, excepto mais um. Segismundo.

Referência

2012-07-20


Lumen ad revelationem gentium. Que haja quem se sinta atraído por pastos de transcendência e misticismo pouco releva. O que menos para aí falta é quem se embriague com sublimes esotéricos ou exotéricos e ateste isso com declarações ou manobras de mão. No plano político, plano exposto, parte da questão relacionada com isto é questão de modo, modo de exposição. Nas circunstâncias mais diversas há quem esteja para estar, há quem esteja por estar e há quem esteja para exibir que está. A política é em muito a encenação de uma cruz que não é. Valha que se notam os cabotinos. Que costumam ter diploma condizente com o modo como se apresentam e com o que representam, disfarçando mal a performance perfunctória da incumbência que lhes foi emprestada pela república. Como puta digna que é, a república põe-se e insinua-se capaz de ir com todos. E vai, porém só em espírito, porque na prática dá-se preferencialmente só com alguns, com quem tem de ser. Como é da praxe, os gentios acham isso mal, pior, muito mal, até ostentam cartazes consonantes durante etapas do tour. Mas, no fundo, no fundo, o que os incomoda é menos o azar que têm do que a sorte não tiveram. Daí que, como convém a quem olha, a manada seja macilenta. Nicky Florentino.

Referência

2012-07-18

Moriarty morreu?, viii. a epistemologia da morte, convoca o esforço mais para a decifração do que para a exactidão, trabalhamos sob a condição dela mas devemos evitar os efeitos que produz. duas operações, distinguir, relacionar, é assim que se raciocina. papel número nove, papel número dez, papel número doze, papel número treze, papel número catorze. faltam dois. que te parece? sete vícios, sete virtudes. a repetição, coisa de doido, não a confirmação. O Marquês.

Referência

2012-07-16

Não há lógica grátis. Em artigo estampado na edição de hoje do diário de notícias escreveu o senhor prof. doutor João César da Neves, “entre os 820 mil desempregados [actuais] não existe um único funcionário público ou pensionista”. Que é mais ou menos o mesmo que assentar que entre um ror mortos não há qualquer vivo, marmota ou sardinha assada. Ou que entre não se sabe bem quantos cavalos não há um único t3 com vista para o mar ou um único porta-aviões ancorado em saturno. O que, além de católico, parece certo e justo. Foda-se e amén ou, por ordem alfabética, vice-versa. Segismundo.

Referência

2012-07-11

Moriarty morreu?, vii. traz os documentos, não te esqueças. desligou o telefone. trabalhar nas trincheiras aproxima a morte, a humanidade. já fiz o download de essential killer, disse-lhe ela, se vieres cedo, logo, podemos vê-lo juntos, antes de o beijar na face e sair de casa. está bem. até logo. até logo. O Marquês.

Referência

2012-07-09

Página do livro das conformações, iii. A dúvida, se portuguesa rima com freguesa, se português rima com freguês. Segismundo.

Referência

2012-07-06

Calendário e geometria constitucional. Talvez seja do número quatro do artigo duocentésimo octagésimo segundo da constituição da república portuguesa, do tribunal constitucional, do modo como é constituído o tribunal constitucional, de outra estância ou de instância diversa. Provavelmente as bebidas destiladas e os estupefacientes também não ajudam. Mas, atendendo aos argumentos aduzidos, a declaração de que algo é inconstitucional o ano que vem mas este ano ainda é não inconstitucional é uma declaração simultaneamente redonda e quadrada. Foda-se o assento clássico dura lex, sed lex. Nicky Florentino.

Referência


Vinte e um valores a etologia e antropossociobiologia. A inveja, sempre a inveja, a palavra derradeira daquele poema sobre a fauna autóctone, derramado por uma dezena de cantos, escrito por um zarolho. A matilha gentia alçou o lábio superior, exibiu o esmalte dos caninos e deixou escorrer o muco salivar porque o senhor ministro adjunto e dos assuntos parlamentares é «licenciado». (Atenção, as aspas não servem para desliteralizar as palavras, servem para reforçar a literalidade e a poesia delas.) Por uma «universidade». Como resulta óbvio, o assunto e o caso não merecem a consideração ou a indignação que suscitaram. É tudo lícito e aceitável, muito. Sabe-se melhor do que muito bem que ter sido secretário de estado, deputado num número cabalístico de legislaturas, presidente de uma assembleia municipal e de uma região de turismo habilita qualquer criatura em, por exemplo, «epistemologia da ciência política», «métodos e técnicas de análise política», «história das ideias e teorias políticas» ou «inquéritos e sondagens de opinião». De igual modo o envolvimento e a participação nos enredos e esquemas cavilosos do psd durante duas décadas provê qualquer fulano em, por exemplo, «política, ética e vida quotidiana» - unidade fundamental em qualquer curso de graduação ou pós-graduação em ciência política -, «cts» ou «semiótica, sociomédia e marketing político». Assim como ter sido consultor da sociedade Barrocas, Sarmento e Neves, sa ou director da revista templários - turismo - que, nada de confusão, é condição bastante diferente e independente de presidente da região de turismo dos templários - capacita quem quer que seja em, por exemplo, «etologia e antropossociobiologia», «história das ideias» ou «teorias políticas ii». A grande dúvida em todo o processo reportado é o motivo por que o «conselho científico» da «universidade» implicada exigiu ao agora senhor ministro exame em «introdução ao pensamento contemporâneo». Com um bocadinho menos de má vontade não teria dado para processar o reconhecimento, validação e certificação de competências da criatura também nesta matéria? Parece que sim. Mas ainda bem que prevaleceu a má vontade, pois assim houve oportunidade de classificar com dezoito valores o conhecimento do senhor «dr.» Cassola Relvas em «introdução ao pensamento contemporâneo». Que os membros do «conselho científico» envolvido na história sejam identificados, ovacionados e agraciados com comenda justa e rapidamente. Merecem. Tanto quanto o senhor «dr.» Cassola Relvas fez para obter a «licenciatura». Burocracias e minudências incluídas, o processo demorou aproximadamente treze meses. A propósito de equivalências, demora equivalente ao período de gestação de um quadrúpede de espécie asinina. Nicky Florentino.

Referência

2012-07-04

Moriarty morreu?, vi. a folha número nove estava dobrada, duas dobras sucessivas, como se fosse um boletim de voto. desdobrou-a. durante o fim a vida é ainda à cadência de vinte e quatro imagens por segundo, o instante sem anatomia. habituámo-nos mais ao mal do que à culpa, um desabafo. O Marquês.

Referência

2012-07-02

Página do livro das sentenças, lxi. Ninguém é o pronome da comunidade. Segismundo.

Referência

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).