<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2012-04-30

Quartos, rooms, chambres, zimmers, etcætera. Série hoteleira, de Rentes de Carvalho. Um. Dois. Três. Quatro. Cinco. Segismundo.

Referência

2012-04-29

Oportunidade, magnanimidade. O Futebol Clube do Porto sagrou-se campeão nacional de futebol, mais uma vez. Está bem. Porém títulos um bocadinho a la Trapattoni não justificam ou merecem comemoração entusiasmada. Agradeça-se, risque-se para contar para o palmarés, registe-se para a posteridade, continue-se, como se, apenas e só. Intendente G. Vico da Costa.

Referência

2012-04-27


Declaração de interesses. Não há governo que não seja filho da puta, mas há governos que são mais filhos da puta do que outros. Nicky Florentino.

Referência

2012-04-25


Isaac K. deteve-o, manietou-o, lançou-o da varanda do nono d, a gravidade não está em questão, sem lhe fazer qualquer pergunta. O Marquês.

Referência

2012-04-23


Apocalipse, uma perspectiva, i. Interessa a actualidade, interessa que não sejamos comuns. Impõe-se que não sejamos comprimidos para permitir o futuro igual, onde continuaremos a ser comprimidos pelo mesmo motivo. Importa que haja mobilização de homens e mulheres para o combate. Elas podem ir despidas, convém que vão assim, o desespero merece uma expressão grave, que se veja. Importa que se acabe com a meia dose e a técnica associada, os cupões de desconto. Neste processo relevam simultaneamente os princípios, os meios e os fins, um método perigoso. O trilho é entre «foi uma festa» e «custe o que custar», as bordas da estupidez como posta. Seguir o caminho sem levar as crianças ao colo. As mães podem comer os filhos, é refeição isenta de imposto sobre o valor acrescentado. O cuidado é um sentido, as cidades são dois. Evitar os autocarros, comprar televisores mais portáteis. Transístor e pilhas são palavras fora de moda. Comprar apenas bilhete de ida. Os rapazes vêm aí. Talvez não tenhamos oportunidade para nos sentarmos, talvez tenhamos que caminhar demasiado com o mesmo calçado. Segismundo.

Referência

2012-04-18


pas de deux, xiv. não procures justiça no coração, ela não procura. não procures paz nos actos, ela está quieta. ouve o ranger dos dentes, o disfarce dela há-de ceder. o mapa está no fundo da gaveta, qual?, ela não consegue dizer. O Marquês.

Referência

2012-04-16


While our hearts were young. Caso autárquico. Um dia ainda hão-de acusar inocentes apenas por serem inocentes, para que não tenham defesa, por não haver remissão do que perpetram ou necessidade disso. Segismundo.

Referência

2012-04-11


pas de deux, xiii. ele não chorava. ela arrancou-lhe os olhos com agulhas de tricot para descobrir e surpreender as lágrimas que suspeitou sustidas atrás dos seis, sete centrímetros cúbicos da massa ocular dele. O Marquês.

Referência

2012-04-09


Ser para a culpa. Nunca se sabe. Ou, melhor, sabe-se, mas isso é outra conserva, coisa topo de gama, transcendental ou o caralho. A vida alinha-nos entre dois limites. Cada um pode ser Joseph K. ou Bartleby. O resto, inclinação incluída, é por contingência e determinação. A escolha não é apenas tua. Segismundo.

Referência

2012-04-06


Arendt já não olha para o carrossel. Não é problema insólito ou do outro mundo as almas postas no governo pátrio guinarem o discurso como um condutor embriagado. Não é a primeira e é provável que não seja a última vez que alguém que declara manifestar-se com autenticidade tenta dar o dito por não dito. Ainda assim a manobra constitui um problema, é uma sombra, indício do uso da mentira. Mesmo entre a canalha gentia a mentira alheia, aquela que se sofre, não tem cotação elevada. Se a mentira é sobre o confisco em curso e o prolongamento do mesmo, a situação agrava-se. Ninguém gosta de ser espoliado e, ao mesmo tempo, enganado. Em política não há redenção, os desenganos sucedem aos enganos, as desilusões sucedem às ilusões e assim sucessivamente. Nunca faltam os enganos e as ilusões. É o efeito de espiral animado pela disposição ao trauma que impulsiona a relação entre os estratos aristocrático e gentio, fazendo aquele parecer extracto - dom sugerido pela condição oligárquica - e este peça de lombo, na concepção de açougueiro do senhor primeiro ministro. Pode ser que ele não se abrase na proporção em que os gentios sentem que andam a ser talhados. O que, como a história é como é, estima-se hipótese remota. Puta que é, a paciência tende a ter limites. Nicky Florentino.

Referência

2012-04-04


via dolorosa. sinto-me o pai que pode tudo, criador e adestrador soberano, na circunstância em que testemunho a angústia e o sofrimento de que qualquer vítima pretende ser ou estar isenta mas que, por vontade minha, determinação pela qual me alcanço, não indulto. não prescindo da franquia em dor, administro-a, cobro-a, porque é daí que recebo a condição por que me faço e que me satisfaz. também sou vítima por isso, condenado, porém justo, não sofro o que os outros sofrem por causa de mim, não espero a redenção atraída por orações repetidas em arco, numa volta que acaba sem nunca acabar, livrando o lastro em cada torno para acolher mais culpa, culpa nova. a minha culpa acumula e disso padeço e cresço. seguiu-se a ovação. O Marquês.

Referência

2012-04-03


Magia o caralho. Foda-se. O Jack Bauer nunca jogou curling e foi feliz toda a vida. Segismundo.

Referência

2012-04-02


Escala de Bilitis, i. Os homens não são como as outras mulheres. Segismundo.

Referência

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).