<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5515885\x26blogName\x3dAlbergue+dos+danados\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://alberguedosdanados.blogspot.com/\x26vt\x3d-3105585526933720520', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Albergue dos danados

Blog de maus e mal-dizer 

2011-03-31


Socorros a náufragos, i. A situação política pátria está demasiado em estado e modo «vai vir charters». Nicky Florentino.

Referência

2011-03-30


pas de deux, iv. ela, desculpa, disse, levantou-se e foi lavar-se. ele, desculpa?, porquê? ela, por não amar-te, explicou. ele levantou a voz, acabámos de foder e agora, só agora, é que vens com essa conversa. sabes o quão humilhante isso é?. ela, sei, confessou. ele gritou, sinto-me usado, como se fosse um animal, um bocado de carne. ela, desculpa, repetiu. ele continuou exaltado, e estares a pedir desculpa só aumenta a minha sensação de humilhação. e ela, eu sei, assentiu sem piedade, eu sei, sem comiseração. O Marquês.

Referência

2011-03-29


Assento para todas as estações, as da afluência e as da carestia. Entre o lustprinzip e o état d’esprit, o realitätsprinzip, o choque frontal com e para o corpo único, o dos ossos. Segismundo.

Referência

2011-03-24


E depois do adeus & dafundo. O problema pátrio maior é um problema de mundividência. O que significa que, se é de mundividência, o problema é oftalmológico. Num sentido mais armado ao pingarelho, o problema é de consciência, modo de afirmar que a dissonância cognitiva é fodida. O que ver, como ver, para que ver. O mundo, pátria ditosa incluída, não muda sem uma interpretação diferente dele, sem uma imputação de sentido distinto a ele. Dele e de quem nele, a ele e a quem nele, porque ele e quem nele são característica e relação fatais. É por isso que a solução - para o impasse ou para a crise disto, chame-se-lhe o que se entender - não é a substituição do senhor primeiro-ministro, do governo ou das políticas emanadas deste. A solução implica mudar de lastro. Mas como é que se muda de lastro sem se perder o pé? Continuando a disparar sobre ele. Nicky Florentino.

Referência



Página do livro das conformações, ii. Et cætera é e o caralho em língua morta. Segismundo.

Referência

2011-03-23


pas de deux, iii. ele, o amor é um acidente, disse, ao mesmo tempo que conjugava frutos secos, nozes e passas, e um fio de baba. ela, julgo que não, julgo que o amor é um desastre, em tom de assento filosófico. O Marquês.

Referência

2011-03-20


como não podemos ser Queequeg


Willard Maas © Geography of the Body, 1943.

Referência

2011-03-17


O tempo e o modo. O senhor primeiro ministro pretende deixar de ser senhor primeiro ministro sem querer deixar de ser senhor primeiro ministro. Passa-se o mesmo, não o simétrico, com o senhor dr. Pedro Passos Coelho. Isto não é confusão, é mesmo assim. Como sempre, o drama está no papel e na representação que se consegue. Nunca se sai das impressões e do modo de as gerir através das expressões. No fundo, a miséria política é uma questão de casting. Os estratos juvenis gentios, a morte libertar-nos-á, a ela, já fazem coro regalado com o senhor presidente da república. Nicky Florentino.

Referência

2011-03-16


pas de deux, ii. sou imortal, estou morto, estou morto por engano, admito. se a morte, se o engano, não se sabe o que ele admite. ela espetou-lhe um garfo no peito, atingiu-lhe o coração, o ventrículo esquerdo, o lado preferido dele. O Marquês.

Referência

2011-03-15


Caffeinated consciousness. Unsicherheit macht frei o caralho, pá. Segismundo.

Referência

2011-03-10


First we take manhattan, then we take berlin. Mais do que o perfil ou o carácter do senhor prof. doutor Aníbal Cavaco Silva, são as condições e circunstâncias políticas que permitem erigir - pelo menos em alguns cérebros - o presidente da república como espécie de tecla reset do sistema político nacional. Entretanto, para entreter e aliviar, o be decidiu apresentar no parlamento uma loção, de censura na etiqueta enganadora, que serviu para amaciar a situação, confortando e tonificando o governo. Esperar, é a regra e é a táctica. No panorama abundam os esperantes ao mesmo tempo que escasseia a esperança. Tudo em marcação como os marcadores tumorais e a prazo como o vencimento dos títulos da dívida soberana. A excepção? A taxa de usura a pagar, coisa fatal, a quem adquiriu tais títulos. Dizem que, depois da quaresma, há-de chegar a época balnear. No atlântico os gentios podem confiar. E tentar continuar a respirar debaixo de água. Que persistam os ensaios no charco. O governo não sabe nadar, iô. Nicky Florentino.

Referência



Tragédia. Simulacro, a palavra que importa recuperar para reencontrar a realidade. Segismundo.

Referência

2011-03-09


pas de deux, i

Referência

2011-03-08


Hardcore, hardcœur. Há muito tempo que neste tugúrio não se confirmava a relação entre a masturbação e a leitura de um post. Duas vezes. Foi bom. Bruce Bílis.

Referência



À consignação. Este lugar de matar é quase perfeito. Ouvem-se vozes, vozes que houve, já mortas, ou vozes, simplesmente vozes. O condomínio é fechado e pessoal. A trama é densa, como o emaranhado de vísceras que habita a cave abdominal. Quase tudo chega tarde, a doença, o remédio, a crise, a pensão por invalidez, o subsídio de natal, o dinheiro para a prestação do lcd que está na sala, a rua. Mas não é tudo mau. A pastelaria continua aberta. E a teelvisão oferece muitos canais dominados por controlo remoto. Tendo pilhas, não é preciso levantar do maple. É o princípio. Ground control para o major Tomé. No colo, até o gato consente festas. Hão-de chegar as cinzas que permitirão saber que o major Tomé é um junkie. Matar ou morrer devagar porquê? e para quê? Este lugar é quase perfeito. Seria perfeito se todos os mortos, incluindo os vivos, já estivessem enterrados. E os cães fossem dispensados de farejar cadáveres, soltos. Segismundo.

Referência

2011-03-03


Sociedade anónima, iv. Num mundo melhor morrem os bons, não os velhos. Alguém os há-de chorar por viverem. Segismundo.

Referência

2011-03-01


Estar de passagem. Estar ali é um modo de estar, muito à la Heidegger, ser para estar, porém por estar. Ele opta por não estar estando, está por condição profissional. É uma situação estúpida, ele admite, porque é estúpido, tanto na situação quanto pelo que admite e pelo que é. Interessam-lhe jogos hardcore sem cavalos. Porque pouco sabe de cavalos e não padece de inclinação para apostar, ele está ali, a olhar, a fazer contas, a vida de fora, borda fora, tipo foda-se ou algo assim. Melhor seria se investisse em tempo, o que ele não tem. Também não é ele que vai ligar o alarme por causa disso. Segismundo.

Referência

2003/2017 - danados (personagens compostas e sofridas por © Sérgio Faria).